A carregar...

Expansão económica não traduz liberdades nos média angolanos, segundo analistas

1 1 1 1 1 Como classifica este artigo? 0.00 (0 Votos)

Coimbra - Baseado num poder político cada vez mais centralizado, o crescimento económico de Angola não se distribui de forma igual pela sociedade. Com mecanismos de controlo diversos, o Governo tem tentado manipular a opinião pública no país e a difusão de informações para o exterior.

Fonte: A Cabra

O desenvolvimento económico de Angola, que tem tido uma dimensão cada vez maior nos últimos anos, contrasta com a falta de direitos e liberdades oferecidas pelo Governo de José Eduardo dos Santos. O poder centralizado, que se personifica na figura do presidente, alicerça-se numa vasta rede de ligações com grandes grupos de vários setores económicos com relações próximas com o poder político.

Na comunicação social poucos são os órgãos que têm plena liberdade, a grande maioria encontra-se sobre controlo apertado do Estado ou limitado pelas decisões administrativas de grupos com influências do Governo. O professor e sócio do Centro de Estudos Africanos (CEA) do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Eugénio Costa Almeida, reitera que “alguns diretores tentam dar uma visão muito mais independente e nada subalterna do poder económico”, o que vai contra a tendência dominante.

O controlo nas várias frentes de comunicação

“Em termos de comunicação de imprensa existe apenas um órgão livre, que é o Folha 8, mas basta ver o que se passa com William Tonet [director do semanário]”, adianta o docente. Julgado em 2011, o diretor do Folha 8 foi condenado a um ano de prisão pelo crime de difamação e calúnia a altas figuras do Governo angolano. Em todo o país existe um único jornal diário, o Jornal de Angola. Sob alçada direta do poder central, a publicação foca-se na publicação de eventos de índole política.

As restantes publicações do país têm uma periodicidade semanal e estão circunscritos a Luanda, ainda que a Constituição angolana preveja a sua expansão para fora da capital. No que respeita aos meios radiofónicos existe apenas a Rádio Nacional de Angola e emissores locais, que também vêm o seu crescimento travado. O serviço televisivo nacional é tendencialmente público desde a sua fundação, sendo a Televisão Pública de Angola (TPA) a sua maior expressão. O surgimento da TV Zimbo, em 2007, criou um caso de aceitação tácita por parte das autoridades reguladoras, embora esta legalmente não exista.

“O Governo orientou certas empresas para retirarem a sua publicidade dos jornais para que esses entrassem em crise financeira”, assevera o jornalista e fundador da webzine informativa Club-K, José Gama. Para suportar essa falta de financiamento o Governo envolveu grupos empresariais próximos, que compraram esses órgãos, estendendo o domínio politico nesse setor, explica o jornalista.

Na área das ciências da comunicação a única oferta passava pelo equivalente a um instituto de formação profissional, que transmitia competências básicas das práticas jornalísticas. Com o fim da guerra em 2002 surgiram duas universidades privadas e uma universidade estatal que introduziram cursos de comunicação no Ensino Superior, no contexto angolano. No entanto, o fundador do Club-K assegura que os “grandes jornalistas angolanos não foram produzidos pela universidade, mas são forjados do ventre da guerra”.

Os organismos de comunicação angolanos demonstram geralmente receio do contacto com o exterior, vítimas de pressões exercidas pelas chefias que temem a difusão da realidade nacional, no contexto de imprensa mundial. “A cooperação é  feita de forma isolada e de maneira pouco formal”, segundo José  Gama.

Influências no universo dos media portugueses

“São pensadas por razões políticas” corrobora o editor da webzine Club-K referindo-se às recentes tentativas por parte de empresas angolanas em adquirir grupos de comunicação portugueses. “É uma forma de adquirir o controlo, pois é a partir de Portugal que os media internacionais tomam conhecimento da realidade angolana”. No entanto, o jornalista acrescenta que estes negócios só são concretizáveis com o aval da presidência de Angola, devido ao seu volume, que ascende a vários biliões de euros.

Projetada em termos de futuro, Angola, enquanto potência emergente, a par de África do Sul, assume-se como Estado diretor ao nível da Africa Austral. O associado do CEA do ISCTE-IUL acrescenta ainda que Angola “necessita de uma alternância de poder e ao mesmo tempo de transmitir o poder para as instituições”. Dando um parecer mais abrangente, o investigador afiança que o país “será aquilo que os seus dirigentes e os angolanos quiserem”.






Debate o tópico nas redes sociais:





Debate no Club-K:


NOTA: Os comentários postados neste portal são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Por favor, leia os Termos de Uso. O Club-K reserva-se ao direito de moderar os comentários suspeitos de conter palavras ofensivas e apagar os que não cumpram as regras.



Comentários Arquivados:



Actualizar comentários 

0 lutar 16-02-2013 15:06 #5
...o amigo jose gama pode fazer bons artigos mas ja come;o a desconfiar dele por apagar os meus artigos sobre a igreja universal....es ta sendo citado neste artigo, mas tambem ele engana a opiniao publica...tudo sobre a universal passa por uma sensura...ou os seus funcionarios estao mancomunados com aquela seita do dia do fim....jose gama esta a perder a credibilidade ou fiscaliza melhor eos seus muchachos.....a s suas tesouras..
+1 MAIS UM OPORTUNISTA 15-02-2013 23:13 #4
Analise de alguém que vê pela boca dos outros. Este branco de Angola é um oportunista que recuperou a nacionalidade angolana depois da crise em Portugal. 1975 já foi a muito tempo. O que te lembras de Angola vovó?? Deixe os angolanos em paz! Tente ganhar dinheiro de forma honesta!
+1 pires feliciano 15-02-2013 17:10 #3
Propalaram um crescimento fantasma portanto sem dizer aos Angolanos a Realidade do que cresceu,quanto a dévida exterior de Angola ninguém sabe? o déficit nao podemos falar.somos um pais totalmente empotecada pelo JES e seus Abustres um pais que vai deixar uma dévida de 10 a 15 vezes do actual para as geraçoes innocentes.dai a strategia de criar fundo soberano que nao vai funçionar porque no rithmo actual o petroléo angolano termina em 2021.
+1 londrino 15-02-2013 12:59 #2
enquanto o MPLA com seu lider JES estiver no poder nos em Angola nunca vamos ter liberdade nos Media e nem muito menos alguns direitos como o resto do mundo e quanto ao crescimento economico no pais isso nos todos ja soubemos que nunca vai beneficiar os pobres a nao ser o JES com sua familia e kopelipa com os seus socios estrangeiros e alguns bajuladores nacionais.

Angola esta muito longe de ser um pais democratico
+2 Octávio 15-02-2013 07:42 #1
Considero ser uma análise pertinente, concisa e leal, pois, a verdade não deve ser desentrapada em detrimento da mentira...
leftCLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

O CLUB-K.net foi fundado aos 7 de Novembro de 2000, e é integrado por jovens angolanos (voluntários), com missão representativa em diversos países e reconhecido a nível internacional como uma organização não governamental.

REDES SOCIAIS

NEWSLETTER

Assine a nossa Newsletter para receber novidades na sua caixa de e-mail. "Gosta" da nossa página no Facebook para receber novidades na parede do seu perfil no Facebook.

INSERE O SEU E-MAIL