Lisboa - José Filomeno dos Santos, o Presidente do Conselho de Administração do Fundo Soberano de Angola (FSDEA),  defende  “a necessidade de uma geração extremamente capacitada, com competência para gerir os recursos do país”.

 Fonte: Club-k.net

O gestor público manifestou esta posição no passado dia 10 de Dezembro, em Zurich, numa reunião  com um grupo de jovens que beneficiaram do programa de bolsa de estudo concedido pelo FSDEA realizado em parceria com a Escola de Gestão e de Direito da Universidade de Ciências Aplicadas de Zurique (ZHAW).

Aos jovens, José Filomeno dos Santos, abordou a importância do domínio do conhecimento, em especial de matérias ligadas ao fenômeno econômico (geração de empresas competitivas, construção de infra-estruturas, criação de emprego).

Falou também do domínio de outras línguas como o inglês, e da inserção da angolanidade noutras nações, ou seja, como o jovens podem  entrosar noutras culturas, mas sendo angolanos.

O líder do FSDEA  falou das oportunidades que se abrem com esta formação, numa universidade conceituada, em especial, na oportunidade em trabalhar no fundo soberano e noutras instituições, uma vez que existe forte capacitação após o termino do curso que os jovens estão a atender.

Da parte dos estudantes, José Filomeno dos Santos foi cordialmente tratado/recebido por estes , que o encorajaram nesta difícil missão de gerir a nova instituição e o agradeceram tendo em conta  que o projecto de formação de quadros, revela-se transparente e  conduzido por uma empresa de consultores após seleção a mais de 1000 candidatos (apenas 45 que foram aprovados).

O  Presidente do Conselho de Administração do FSDEA, ao ser citado pela imprensa a mês atrás referiu que “Este programa de bolsa de estudo contribuirá para a prosperidade de Angola, porque tem como objectivo estratégico o estabelecimento de competências de gestão necessárias para a gestão eficiente dos recursos do país.”

Os graduados, segundo o mesmo  “vão adquirir experiências globais e um entendimento profundo de várias indústrias bem-sucedidas no mundo inteiro, tornando-se futuros líderes do saber em Angola. Temos a certeza de que, no futuro, todos os participantes deste programa vão contribuir decisivamente para o crescimento económico e a prosperidade nacional”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: