Lisboa – A  deputada do MPLA e empresária Welwitschea José dos Santos “Tchizé” revelou recentemente a cerca das suas actividades comerciais na  adolescência  acreditando  que o seu espírito batalhador, herdado de sua avó kitandeira tenha influenciado na pessoa que é hoje.

Fonte: Club-k.net/LUX

"Comecei por organizar festas de reveillon" 

A    filha do Presidente da República, fez estas revelações na última edição da  "Revista Lux", a margem da cerimónia do Fórum de Capacitação da Mulher Empreendedora, a 30 de Janeiro, na Tenda do Talatona,  onde várias  personalidades  agraciaram o evento com as suas experiências pessoais e profissionais.

 

“Não diria que sou uma grande empresaria. O empreendedorismo, para mim não foi uma necessidade. Ser empreendedora é  um instinto, uma característica que é muito minha, talvez  por ser neta de uma “kitandeira”, apontou Tchizé dos Santos

 

Tchizé dos Santos lembra explica que “Queria ser independente para não ter que pedir dinheiro aos meus pais. Quando tinha 16 anos, comecei por organizar festas de reveillon” disse recordando que já organizou  “uma celebre festa na Ilha de Luanda e lembro me que o dinheiro liquido foi de 25 mil dólares. Depois comecei a organizar espectaculos”

 

Outra entrevistada da LUX é Vina Criola, uma empresaria de 30 anos, que subiu na vida a pulso. Empreendedora há 25 anos, Vina Criolo revelou que “comecei a minha vida de empreendedora com 5 anos. Fui ao mercado Roque Santeiro, comprei um pacote de bolachas, abri-o e fui vendendo uma a uma. Lembro me que numa semana consegui comprar mais de 20 pacotes de bolachas e ai tornei-me zungueira”

 

Vina Criola reforça  dizendo que “Sempre fui a menina que vendia na rua. Vendia tudo aquilo que achava o que o mercado informal iria aceitar e foram acontecendo coisas boas até me tornar a empresaria que sou hoje”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: