Lisboa – A recente apresentação pública  da deputada, Welwistchia dos Santos “Tchizé” como coordenadora adjunta de uma comissão preparatória da Assembléia constituinte do Comité de Especialidade dos Empresários do MPLA (CEEM), fez ressustitar, velhas suspeitas  apontando a sua alegada situação de “conflitos de interesses”.

 Fonte: Club-k.net

Suspeita de estar a exercer actividade empresarial 

De acordo com observações, em meios com apurado poder de analise, a entrada da deputada ao órgão de empresários do MPLA, está a ser interpretada como um indicador de que ela continua no activo como empresaria.

 

Tchizé dos Santos, na qualidade de deputada a Assembleia Nacional está impedidada por lei (Orgânica do Estatuto dos Deputados) de assumir cargos de decisão/chefia  junto da    actividade empresarial, por esta função ser incompatível com a função de deputada.

 

Para além da sua entrada ao CEEM, ela teria também se juntado, a 19 de Março ao fórum angolano de jovens empreendores (FAJE), uma associação de empresários próximos a juventude do regime. Está também envolvida na constituição de um banco privado, Prestigio.

 

Em Junho de 2009, a deputada foi alvo de raparos idênticos (sobre conflitos de interesses) mas na altura,   Tchizé dos Santos negou incompatibilidades entre a sua eleição para o Parlamento e as funções que estava a desempenhar ao integrar uma Comissão Técnica de Reestruturação da Televisão Pública de Angola (TPA).

 

A polémica que levou a esta reacção surgiu depois de a secretária-geral do Sindicato dos Jornalistas de Angola (SJA), Luísa Rogério, ter defendido, que Welwistchia dos Santos, enquanto Deputada não deveria integrar a comissão que vai acompanhar a reestruturação da TPA na qualidade de gestora, por esta função ser incompatível com a função de deputada e por não ser quadro da televisão pública angolana.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: