Ministro suspeito de práticas de cabritismo

Lisboa – Levantaram-se, em meios do regime angolano, fortes suspeitas de que o ministro do interior, Ângelo de Barros Veiga Tavares estaria  a enveredar por práticas com particularidades ao “cabritismo”, usando o seu cargo para fazer negócios consigo próprio.

 Fonte: Club-k.net

Negócio  de fornecimento de  logística a Polícia Nacional 

O governante, segundo informações, é suspeito de, ter optado desde o início do corrente ano, em monopolizar o fornecimento de bens alimentares à polícia nacional, através de uma empresa conotada aos seus interesses particulares, de nome JUCAPA- Comércios, Industria, Importações e Exportações, Limitações.

 

A referida empresa, tem como sócios, Pedro Mbanzikisa Nunes M’Bidigani, Carlos Alberto Mendonça Rodrigues, seu conterrâneo do Lobito e Júlio Ângelo da Cruz Correia, apresentado como “primo irmão do ministro”.

  

Até, o ano passado, o ministério do interior recebia do OGE, perto de 75 milhões de dólares por trimestre para o efeito, e eram geridos pelo seu homem de confiança na altura, o Secretário de Estado, Hermenegildo José Félix. Empresas como “Mar e Sol” de Dirce dos Santos (filha do Presidente da assembleia nacional), Pomobel, e Kamaruf, e outras ligadas à alguns membros do Governo tinham prioridade no fornecimento de logística a este ministério.

 

Porém, com o chegar da crise financeira que assola o País, o Executivo viu-se obrigado a diminuir até as verbas para a alimentação dos órgãos de segurança, para 45 milhões de dólares por trimestre, o que levou o Ministro Ângelo Tavares a orientar a sua direção de logística a rescindir contrato com as cerca de 6 empresas que forneciam o seu ministério.  Ficaram  apenas 3 empresas a fornecer, que sãor: LC, JUCAPA, e uma outra terceira empresa, a KIDJ que fornece apenas os postos fronteiriços. Está ultima   é citada como  ligada a familiares do PR,  em associação,  a um Coronel identificado por “Geovete.”

 

De acordo com denuncias, as   empresas ligadas ao ministro, fornecem mercadoria a crédito sempre que a direcção de logística precisa. As mesmas são suspeitas de praticarem preços superiores aos do mercado e de não obedecerem a nenhum concurso público, o que permite, simular situações de rotura de stock para forçar o ministério das finanças a autorizar mais verbas para planos de emergência. As empresas ligadas a Ângelo de Barros Veiga Tavares são referenciadas como estando reclamar cerca de 19 milhões de dólares em dividas.

 







Debate este tópico nas redes sociais:

Comente com o seu perfil no Facebook







Debate este tópico no Club-K:

Comente no Anónimato (sem iniciar sessão) ou via Redes Sociais (Facebook, Twitter, Google ou Disqus)!

Quem Somos

CLUB-K ANGOLA

CLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

Informamos o público sobre as notícias e informações ausentes nos canais informativos estatal.  Proporcionamos ao público uma maneira de expressar publicamente as suas opiniões sobre questões que afectam o dia-a-dia, qualidade de vida, liberdades e justiças sociais em Angola... Leia mais

Contactos

 

  • E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • WhatsApp: (+244) 918 512 433 Para uso no aplicativo WhatsApp apenas!

  • Reino Unido : (+44) 784 848 9436

  • Buffalo / EUA: (+1) 347 349 9101 

  • New York /USA: (+1) 315 636 5328

Newsletter

Assine a nossa Newsletter para receber novidades diárias na sua caixa de e-mail.

INSERE O SEU E-MAIL

Infográficos