Lisboa – O ministro conselheiro da representação diplomática de Angola junto das Nações Unidas, em Nova Iorque, António Coelho Ramos da Cruz, apresentou há dois meses   demissão do cargo por alegadas razões de dignidade a sua honra.

Fonte: Club-k.net

O pedido de demissão do diplomata angolano é associado a uma sequência de episódios que resultaram na usurpação de competências e desconsiderações que se verificavam naquela missão diplomática.

De acordo com apurações, sempre que o embaixador angolano na ONU, Ismael Gaspar Martins  se ausentasse do posto de trabalho era a sua esposa, Luzia Jesus Gaspar Martins, que se assumia como chefe  interina  daquela  missão diplomática.

Durante este período, o diplomata António Coelho Ramos da Cruz viu as suas competências a serem usurpadas  arrastando-se para um quadro de desvalorização institucional a sua pessoa. Por exemplo,  sendo ele  o segundo homem da hierarquia da missão diplomática nem os cheques, o embaixador lhe deixava assinar atribuindo esta competência a sua esposa, Luzia Martins.

No seguimento do agravamento da situação, o diplomata fez uma exposição ao ministro de tutela explicando as razões que o levariam a demitir-se preferindo regressar a Luanda com a família até aguardar por uma futura colocação diplomática.

Ramos da Cruz  que se encontra em Luanda aguardar por nova colocação,  tem a reputação de ser um quadro reputado. Desde o ano passado que manifestava sair para   evitar outras situações mais complicadas conforme se argumenta em meios diplomáticos em Nova Iorque.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: