Lisboa - O general António José Maria, Chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM) prepara-se para apresentação de um livro sobre a história da batalha do Cuito Cuanavale destinado a enaltecer os feitos do Presidente José Eduardo dos Santos como suposto estratega militar que na versão do regime derrubou o regime do apartheid na África do Sul e libertou Nelson Mandela da prisão. 

Fonte: Club-k.net

Para enaltecer  feitos de JES

Neste livro que poderá estar a disposição do publico antes das eleições de 2017, o general José Maria descreve o Presidente José Eduardo dos Santos, como “Pessoa de Bem, Defensor do Povo, Protector do Estado e o Melhor de todos nós.”.

 

Para o efeito o general contratou como “ghost-writer” do seu livro,  o português Artur Queiroz, reconhecido pela sua habilidade em fazer com que inverdades se pareçam reais. Aquela alta patente da secreta militar contou ainda com apoio do tenente-general Carlos Miguel de Sousa Filipe e do brigadeiro Alberto Noé Alfredo que ajudaram-lhe na pesquisa de bibliografias.

 

O general José Maria é a figura do regime angolano que teve a ideia de usar a batalha do Cuito Cuanavale, para ajudar a enaltecer a figura de JES. Em 2008, a Inteligência Militar impediu, a circulação  em Angola de um documentário cubano “Odisseia em África” sobre a batalha do Cuito Cuanavale cuja versão era diferente a do regime angolano.

 

O documentário foi realizado em 2007 pela francesa (de origem Egípcia) Jihan El Tahri e revela a história da Guerra Fria no seu cenário mais desconhecido em que Cuba de Fidel Castro exerce um papel central na nova estratégia ofensiva das nações do terceiro mundo contra o colonialismo dos novos e antigos impérios.

 


O referido documentário apresenta imagens de Fidel de Castro, a partir de Cuba e com mapas cartográficos de Angola a dar   instruções por telefone aos seus comandantes militares que se encontravam no campo da batalha, no nosso país. A versão contraria a mensagem das autoridades angolanas que apresenta o Presidente José Eduardo dos Santos como o estratega da alegada   vitória das FAPLA contra o então exercito do apartheid.

 

Mostra ainda o numero exacto de soldados cubanos em território angolano que é superior aos dados que é do conhecimento publico; Revela que as tropas angolanas levaram inicialmente porrada na batalha ; mostra igualmente que foram os cubanos que estiveram nas frentes estratégicas.

 

 

Em resposta a versão do documentário, o governo angolano realizou em Março de 2010 uma atividade que visou homenagear a batalha do Cuito Cuanavale. O regime localizou o general angolano António Valeriano protagonista da batalha do CC para fazer um discurso atribuindo todo mérito ao presidente JES.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: