PGR estrangula Grupo Valentim Amões

Lisboa - Há dois anos, a Procuradoria‐Geral da República tem estado a estrangular o Grupo Valentim Amões (GVA) que durante muito tempo foi a principal força empresarial no Sul de Angola.

Fonte: Club-k.net

A acção da PGR sobre o grupo assenta em duas estratégias: Congelou a partilha da herança entre os filhos do empresário Valentim Amões, falecido em 2008. A PGR tem estado a impossibilitar o termo da partilha que promove há sete anos.

 

Estranhamente não existe qualquer acusação formal da PGR contra nenhum dos actuais directores, gerentes ou herdeiros do grupo.

 

Como garantia de “enterro” do GVA, há mais de um ano, a PGR mantém congeladas e a proibição de movimentação de contas de mais de dez empresas do grupo. Com essa medida, algumas empresas, como a Ulissses, Movimento Rodoviário Nacional, MRN Construções, já encerraram as portas atirando para o desemprego centenas de trabalhadores, particularmente no Huambo.

 

Com a morte, em 2008, o grupo perdeu o escudo do Estado e do MPLA, de que Valentim Amões era membro do seu Comité Central. Natural do Chiungo, província do Huambo, o empresário era das figuras Ovimbundu mais representativas do MPLA.

 

Dois vectores de actuação para o estrangulamento do grupo têm sido evidenciados.

 

Primeiro, o grupo deixou de ser pivot nas estratégias políticas de dominação do sul de Angola pelo partido no poder. Era Valentim Amões quem, com o seu carisma pessoal melhor servia o MPLA.

 

Segundo, a funcionabilidade das empresas do grupo serviam para diversos fins de manutenção e enriquecimento de certos sectores importantes do poder.

 

Terceiro, o património existente é alvo de cobiça por parte de alas do poder. A asfixia da PGR poderá garantir, a breve trecho que as empresas sejam encerradas e, eventualmente, tomadas a custo zero por testas‐de‐ferro de indivíduos poderosos.

 

Apesar da Constituição impedir a PGR de João Maria Moreira de Sousa de interferir directamente na gestão das instituições privadas, o entendimento desse órgão é diferente. É o livre arbítrio.

 

PGR está a interferir, de forma inconstitucional, no congelamento e proibição de movimentação de contas das empresas activas do falecido empresário.







Debate este tópico nas redes sociais:

Comente com o seu perfil no Facebook







Debate este tópico no Club-K:

Comente no Anónimato (sem iniciar sessão) ou via Redes Sociais (Facebook, Twitter, Google ou Disqus)!

Quem Somos

CLUB-K ANGOLA

CLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

Informamos o público sobre as notícias e informações ausentes nos canais informativos estatal.  Proporcionamos ao público uma maneira de expressar publicamente as suas opiniões sobre questões que afectam o dia-a-dia, qualidade de vida, liberdades e justiças sociais em Angola... Leia mais

Contactos

 

  • E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • WhatsApp: (+244) 918 512 433 Para uso no aplicativo WhatsApp apenas!

  • Reino Unido : (+44) 784 848 9436

  • Buffalo / EUA: (+1) 347 349 9101 

  • New York /USA: (+1) 315 636 5328

Newsletter

Assine a nossa Newsletter para receber novidades diárias na sua caixa de e-mail.

INSERE O SEU E-MAIL

Infográficos