Lisboa - Um relatório interno, a que o Expresso teve acesso, deixa antever o colapso iminente da petrolífera angolana.


Fonte: Noticias minuto


Francisco de Lemos, presidente da Sonangol, assumiu há um mês, em reunião interna, que o modelo operacional que a petrolífera angolana segue “fracassou e está falido”, reporta o Expresso.


As conclusões dessa reunião são claras: as ‘alterações de gestão’ criaram uma mossa gigante na petrolífera e o único segmento que atualmente “funciona é o de upstream, gerido pelas companhias estrangeiras, sem qualquer intervenção da Sonangol”.


“Deixámos de aprender a saber fazer e aprendemos a contratar e subcontratar”, lê-se no relatório assinado por Francisco de Lemos, com as conclusões da reunião.


Esse relatório, a que o Expresso teve acesso, reconhece que a petrolífera muito dificilmente conseguirá “mover-se por si própria” sem o apoio do Tesouro nacional, deixando antever uma possível falência técnica.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: