Lisboa - O ministro da Saúde, Luís Gomes Sambo é o membro do governo angolano  que mais tem abusado do seu cargo público para por ao serviço da candidatura do candidato do MPLA, as eleições de Agosto  de 2017. 
 
Fonte: Club-k.net
 
Em violação a lei da probidade pública 
 
De acordo com registros, sempre que João Lourenço visita uma província, o ministro Luís Gomes Sambo também desloca-se ao local de forma antecipada para preparar  e organizar  os hospitais do Estado serem visitados pelo candidato do seu partido.  A conduta do ministro é descrita como um acto de promiscuidade, uma vez que viaja às províncias na qualidade de membro do executivo, a custa do Estado e posto no local pratica  ações politica para a propaganda eleitoral do MPLA.
 
Já no passado dia 7 de Abril, o candidato do MPLA deslocou-se a província de Cabinda, e dias antes o ministro da saúde, Luís Gomes Sambo viajou para o mesmo destino levando  o candidato do MPLA  a visitar o hospital materno infantil 1o de Maio, onde recebeu do seu diretor , Francisco Rodrigues explicações pormenorizadas sobre o funcionamento.
 
 
No dia 8 de Maio,  o ministro  Luís Gomes Sambo viajou a província do Moxico  a pretexto de fazer uma avaliação do sector que dirige para de seguida acompanhar o candidato do MPLA, que seguiu dias depois para a  província.
 
 
Depois do Luena, o ministro seguiu para a província da Lunda- Sul, sob alegação de que a visita se enquadrava no âmbito de um programa de constatação da situação sanitária da região. A visita do ministro estendeu-se até esta sexta-feira, data em que o candidato João Lourenço deixa também a província da Lunda-Sul
 
 
No próximo sábado  (14), o candidato  do MPLA, é aguardado em Malanje, para um acto politico. Estima-se  que o ministro da saúde irá  também anunciar viagem a mesma província no quadro do seu  suposto “programa de constatação da situação sanitária” para depois levar o general João Lourenço   a visitar os hospitais. 
 
 
É caso para dizer que desde que o candidato João Lourenço passou a ir visitar as províncias, o ministro da saúde deixou de ser visto no seu gabinete  para  acompanhar as visitas partidárias do vice-Presidente do MPLA.
 
 
“O Doutor Sambo poderia ir às províncias como membro do Comitê Central, mas esta a fazer ao contrario indo nas suas vestes de membro do executivo, usando os meios do Estado, com direito a hospedagem paga com fundos públicos, o que constituiu mesmo abuso de poder e violação a lei da probidade publica”, considera o analista Carlos André.
 
 
 Para Carlos André, “o ministro Luís Sambo é uma figura que gozava de algum prestigio tendo em conta a sua passagem por organismos multilateral das Nações   Unidas mas agora fica mal ao vemo-lo  envolver-se nestas praticas de  promiscuidade e abuso de poder, provando ser igual aos restantes dirigentes do MPLA”.
 
Tema relacionado
 


DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: