Lisboa –  O  Governador provincial e primeiro Secretario do MPLA, no Cunene,  general Kundi Paihama  acionou  o Serviço de Investigação Criminal (SIC) para proceder a busca e apreensão de duas viaturas de marcas Toyota-Land Cruizer,  em posse de “Meke” Didalelwa, filho do falecido governador  Antônio Didalelwa. 
 
Fonte: Club-k.net
 
Rivalizou-se  com a memória do antecessor,  já falecido
 
Paihama, segundo   consultas,  desconfia  que as duas  viaturas  pertencem ao governo provincial do Cunene,  razão pela qual  os agentes do SIC, compareceram nesta sexta-feira, na  residência  do falecido governador, na província da Huíla, para realizar a sua  apreensão.  
 
 
O mandado de revista e busca e apreensão  foi assinado aos 13 de Julho,  pelo diretor provincial do SIC, do Cunene, Pedro João Antônio  ordenando  “qualquer agente de autoridade judicial ou policial proceda-se a revista, busca e apreensão na residência do cidadão  'Meke', residente algures na cidade do Lubango devendo apreender duas viaturas bem como outros artigos susceptíveis de crime”. O documento que o Club-K teve acesso diz ainda que “é permitida a entrada no domicilio e seus arredores”.
 
 
A família do falecido  Antônio Didalelwa nega que as   viaturas pertencem ao Estado angolano e apresentaram uma reclamação junto ao MPLA, em Luanda, sobre a conduta e  marginalização que Kundi Paihama estaria a exercer contra eles. 
 
 
Desde que assumiu o cargo, em Setembro de 2016, na sequencia do falecimento  Antônio Dilalalwa, o general Kundi Paiham, já foi destaque nos jornais de fim de semana em Luanda com matérias que o acusavam de perseguir a família do seu antecessor.   Na mesma tônica, a pagina “Angola depressiva”,  no facebook, também dedicou-lhe algumas linhas dizendo que  “Kundi Paihama, recebeu os carros da casa do falecido governador do Cunene António Didalelwa, os filhos do malogrado estão surpresos e tristes com o actual governador Kundi Paihama, está a receber tudo, até a última carrinha de apoio à viúva”.
 
 
Para além dos confiscos das viaturas,  o general Kundi Paihama exonerou muito recentemente, sem consultar o MAT,  os diretores  provinciais do urbanismo (Claudio Kondjassile), o da cultura (Vicente) a  directora dos recursos humanos (Salomé),  o administrador municipal do Kwanhama (Gonçalves Namweya),  a administradora do Cuvelai, (Margarida Ulissavo), sob acusação de terem sido muito próximos ao falecido governador Antônio Didalelwa.
 


DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: