Luanda  -  O Ministro do Interior,  Ângelo de Barros Veiga Tavares,  enviou recentemente  uma carta intimatória  ao Presidente da UNITA para avisar que, no seu entender,  as declarações do mandatário do seu partido,  José Pedro Kachiungo são  susceptíveis de incendiar o pais. 
 
Fonte: Club-k.net
 
A revelação  sobre o teor da carta foi tornada pública  por José Pedro Kachiungo nesta quarta-feira aos microfones da radio despertar. 
 
 
De acordo com  informações,   as ameaças do ministro do interior surgiram depois de o mandatário da UNITA ter denunciado que que a CNE estava a publicar resultados eleitorais de origem duvidosa  e em violação a lei eleitoral, o que terá irritado o regime angolano.
 
 
Incomodado com as denuncias do mandatário da UNITA ,  o ministro do interior  escreveu a Isaías Samakuva pedindo para conter  José Pedro Kachiungo. 
 
 
Nas redes sócias, surgiram criticas contra a conduta de Ângelo de Barros Veiga Tavares que alguns comparam ao cenário da crise eleitoral de 1992, em que as autoridades exterminaram a direção assassinaram a direção da UNITA para evitar que se realizassem segunda volta das eleições.
 
 
As criticas ao ministro são também acompanhada por uma onda de solidariedade em favor de   José Pedro Kachiungo a quem os internautas receiam que possa vir a ser alvo de alguma maldade por parte do ministro  Ângelo de Barros Veiga Tavares, tal como efectivos do ministerio do interior procederam contra a vida dos activistas Isaias  Cassule e Alves  Kamulingue.
 
 
“Aqui destacar o desempenho deste grande dirigente que frustrou o desejo dos malandros de serem o número 1 no boletim de voto, e que com muita bravura, serenidade e inteligência desmascarou mais uma fraude da CNE e tem obrigado esta a refazer suas intenções macabras de impor o povo angolano a viver por mais 5 anos no sofrimento e na roubalheira.”, escreveu o angolano  Ludi Ya Nkulo André, a partir da Alemanha. 
 
 


DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: