Luanda - O Presidente da República de Angola, João Lourenço, exonerou esta quarta-feira a administração do Fundo Soberano de Angola, presidida por José Filomeno de Sousa dos Santos, o último filho do ex-Presidente José Eduardo dos Santos que ainda tinha importantes responsabilidades na hierarquia do país.


Fonte: EXpresso

Cinco anos depois de ter sido nomeado pelo então Presidente, que era seu pai, para dirigir o Fundo Soberano de Angola, Filomeno dos Santos, o último ‘príncipe‘’ da dinastia Dos Santos, foi exonerado pelo Presidente João Lourenço.


Filomeno dos Santos, também conhecido por Zenu, foi nomeado para liderar o Fundo Soberano de Angola em 2012, “logo a seguir às eleições gerais ganhas pelo pai com 72% dos votos, no primeiro confronto direto com eleitores em 20 anos”, e era considerado como o putativo herdeiro do pai pelos setores mais fiéis ao regime do anterior Presidente.


Esta quarta-feira, João Lourenço, substituiu Filomeno dos Santos por Carlos Alberto Lopes na liderança do Fundo Soberano de Angola (FSDEA), que gere 5 mil milhões de dólares , num país onde uma em cada três pessoas vive em condições de pobreza.


Nessa quarta-feira de novembro, em que João Lourenço substitui a filha mais velha de Eduardo dos Santos por Carlos Saturnino na liderança da Sonangol, o Ministério da Comunicação Social de Angola mandava cessar de imediato “todos os contratos entre o Ministério em questão, a Televisão Pública de Angola (TPA) e as empresas privadas Westside e Semba Comunicações referentes à gestão do Canal 2 e da TPA Internacional, os quais devem retornar ou passar para a esfera jurídica da TPA”.


Recorde-se que a Semba pertence aos irmãos Tchizé e José Paulino dos Santos [mais conhecido por Coreon Du], que desta forma detinham o controlo de dois canais da televisão pública de Angola


Zenu, consegiu manter-se no posto [para onde fora indigitado pelo pai em 2012] mais dois meses do que as suas irmãs Isabel e Tchizé, e do que o seu irmão Coreon Du. Estes três filhos do ex-Presidente foram todos afastados dos cargos que ocupavam à frente da petrolífera angolana Sonangol, e da televisão angolana no passado dia 15 de novembro.


Uma nota enviada à imprensa pela Casa Civil do Presidente João Lourenço esta quarta-feira, diz que o Chefe de Estado mandou formar uma “Comissão Multissectorial para se ocupar da articulação e integração dos diferentes serviços do Estado necessários em todas as fases do procedimento do investimento privado”.


UMA NOVA ETAPA PARA O INVESTIMENTO PRIVADO

Este “despacho que abre espaço ao surgimento do novo ente procura, em última análise, simplificar e agilizar a promoção e captação de investimento no âmbito da Política do Investimento Privado, por via da estruturação de um modelo de actuação governativa capaz de satisfazer os anseios dos potenciais investidores para o alavancar da economia nacional e a criação de mais postos de trabalho”.


O comunicado diz ainda que a comissão multissectorial “tem trinta dias para promover a articulação e a integração com os serviços do Estado necessários para que se efective uma intenção de investimento”.


É de admitir que se assista a uma eventual agilização do investimento em Angola, já que a nota de imprensa diz que o Chefe de Estado “orienta no seu despacho que a comissão estude e proponha um regime de emolumentos mais atractivo e menos oneroso ao investidor”. A comissão deve ainda analisar e apresentar “propostas de alteração dos níveis e dos prazos de aprovação dos investimentos e as entidades competentes para o efeito”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: