Luanda - Um milhão e meio de preservativos masculinos vão ser distribuídos neste Carnaval, em Luanda, por uma organização de prevenção da SIDA em Angola, que prevê ainda aproveitar o período para realizar 5.000 testes à doença.

Fonte: Lusa

A informação foi transmitida hoje à Lusa pela Anaso - Rede Angolana das Organizações de Serviços de SIDA, que alerta para uma maior "exposição ao risco" neste período de "festa e folia", associado ainda ao Dia dos Namorados (14 de fevereiro).

"A situação do VIH e Sida em Angola continua preocupante. Apesar de o país ter uma taxa de prevalência de 2% (sobre o total da população, de 28 milhões de pessoas), o número de novas infeções por VIH nos últimos anos é de 25.000 (?), o que quer dizer que Angola está a registar em média 20 novas infeções de VIH por dia e o desafio é de reduzir essas novas infeções em 75% até 2020", explica a organização.

Esta campanha da Anaso, que decorre entre 10 e 14 de fevereiro, nos principais centros urbanos de Luanda, envolve no terreno cerca de 100 voluntários, tem como lema "Carnaval sem SIDA: Mbora usar a camisinha" e incluiu o Dia dos Namorados "por ser um dia bastante sensível onde as pessoas excedem o uso do álcool e de outras drogas e têm um comportamento de risco acentuado".

"Apesar de a adesão da população ao teste do VIH estar a melhorar nos últimos tempos, temos de reconhecer que menos de 40% da população fez o teste e conhece o seu estado serológico", alerta ainda a Anaso, que vai levar a cabo esta campanha com o apoio de outras organizações que operam no país.

Em Angola, o Carnaval é considerada a maior festa popular e milhares de pessoas são esperadas a desfilar no principal cortejo de Luanda, durante toda a tarde de terça-feira.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: