Luanda - As actividades da Chancelaria de Angola na República do Quénia foram paralisadas provisoriamente, quinta-feira, devido ao encerramento forçado das instalações em que funciona em razão de um litígio com o proprietário do imóvel.

Fonte: Angop

A Angop soube nesta segunda-feira que os factos tiveram lugar quando o proprietário do imóvel e ex-senador, James Mutama, ignorou o que rege a Convenção de Viena sobre a matéria e por meio da força decidiu reavê-lo, tendo fechado a propriedade com cadeados.

Mutama não permitiu que fossem retirados os bens que lá se encontravam, como a bandeira da República de Angola e uma viatura oficial da missão diplomática.

Durante o acto, o embaixador de Angola no Quénia, Syanga Abílio, encontrava-se numa reunião do Comité dos Embaixadores Representantes Permanentes junto da Organização das Nações Unidas, em Nairobi.

Em declarações hoje à Angop, o director para África e Médio Oriente do Ministério das Relações Exteriores, Joaquim do Espírito Santo, disse que, após ter tomado conhecimento do caso, as autoridades em Luanda orientaram a representação diplomática a apresentar Nota Verbal de Protesto ao Ministério dos Negócios Estrangeiros daquele país.

Foi neste quadro que o representante angolano foi recebido na manhã de hoje, segunda-feira (14), pelo secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Quénia que, em nome das autoridades locais, manifestou preocupação com o sucedido.

Joaquim do Espírito Santos referiu ainda que o MIREX aguarda por uma Nota Verbal da Embaixada do Quénia para que possa explicar o sucedido, pois, apesar de ser o proprietário do imóvel, James Mutama invadiu um espaço que juridicamente é território angolano.

Salientou que este facto deveu-se a questões ligadas com a regularização das contas relativas ao arrendamento do imóvel, cujo valor não citou, bem como a intenção do país pôr igualmente fim ao contrato.

A Angop contactou igualmente a representação diplomática do Quénia em Angola, tendo o embaixador Josephat Kaunda Maikara prometido pronunciar-se em breve

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: