Quem irá governar Angola nos próximos 30 anos? - Fernando Kapetango

Benguela - Angola é um país da costa ocidental da África, cujo regime político vigente é o presidencialismo, em que o Presidente da República é igualmente chefe do Governo, que tem ainda poderes legislativos e Comandante em Chefe das Forças Armadas. Em 1992, com o fim da Guerra Fria, Angola aprovou uma Lei Constitucional que contemplava o multipartidarismo. No entanto, com a Guerra Civil ainda activa, só em 2008 foi possível realizar novas eleições legislativas ganhas pelo MPLA, com a maioria absoluta menos convincente.


Fonte: blocodemocraticobenguela.blogspot.com


Uma nova Constituição atípica foi aprovada pela Assembleia Nacional em 27 de Janeiro de 2010, aproveitando o momento da euforia dos angolanos pelo CAN, mudando várias das regras políticas do país. A principal é que os candidatos a Presidente e Vice-Presidente não estão sujeitos a uma limitação de mandatos, bastando ser eleitos como cabeça e segundo na lista do partido que for mais votado nas Legislativas. O cargo de Vice-Presidente é igualmente uma figura nova e substitui a do Primeiro-Ministro.



Por conseguinte, e a despeito das mudanças constitucionais, institucionais e políticas operadas no país, mantêm-se os mesmos rostos nos principais postos de governação de Angola, desde a independência, em 1975 à presente data - 2010, e continuarão os mesmos, com certeza, até que o devir se encarregue do seu destino. Todavia, a minha preocupação prende-se não apenas com esse sistema cíclico e viciado dos governantes que não dá oportunidade a novos rostos, mas com a postura menos participativa, menos activa e a-política de muitos jovens angolanos no que tange a questões relevantes do país e do seu futuro.

 

A juventude, como é óbvio, é a força motriz e o factor “sine qua non” do desenvolvimento de qualquer sociedade. Porém, a maioria da juventude angolana está alienada. Essa juventude não quer saber da política, do Poder Político, das eleições e, às vezes, nem quer trabalhar. Prima mais pelo imediatismo. Não lê e, em muitos casos, aquela que está nas Faculdades, apenas está lá para acompanhar os outros; está lá por conveniência e para exibir os carros e os “grifes”. Essa juventude perdeu-se no tempo, no materialismo e no prazer. É epicurista que vive apenas para comer e satisfazer os apetites da carne e os do regime. Não faz nada de bom acontecer mas deixa tudo de mal acontecer sem nada fazer. Ser jovem para muitos é ter bens materiais aos pontapés (o que a priori não é negativo quando alcançados honestamente e com o suor laboral) como carrões do último grito, casas em condomínios fechados e também muitas amantes. Ser jovem para elas, é ter muito dinheiro, cabelos longos brasileiros e telemóveis com bastante saldo do qual saiem apenas uns “liga só” para pedinchar outros saldos; é ter o namorado e uns tantos “amigos”, ou melhor, é ter o “Chique”, o “Choque” e o “Cheque”. Dito doutra forma, “o Chique” é o namorado oficial apresentado à família; “o Choque” é aquele que dá um bom choque camal e o “Cheque” é o pagador de tudo: carro, Faculdade, cartão da parabólica, internet, telefone, energia, água, renda da casa e ainda providencia os víveres do “Choque” que precisará apagar a chama da “perenguela” consequente da competição libidinosa com a camarada. Este é o “good life” por muitos sonhado que exclamam bem alto: “bazei”… como que de um êxito se tratasse. Como que de uma viagem espacial ou de uma invenção cientifica importante tivessem realizado.



Ser jovem para eles é estar “na moda”. E estar na moda implica coleccionar muitas garrafas de cuca ou de Whisky ao som do “kuduro” estonteante. É dançar o “windek” ao sabor do frango e do pincho mal assados nas noites não dormidas e nas maratonas solorentas a que o sistema os habituou. É tarachar até causar ejaculações inoportunas aos rapazes que com a língua fora e com os olhos fechados respiram um ar de “um está a cuiar” sem precedentes como que a vida fosse basicamente isso. Essa juventude perdeu valores éticos e morais (ou nunca os teve?) e o sentido ontológico do ser. O mais importante para ela é ter e não o ser. Aqui os fins justificam os meios. Ter a todo o custo não importando de que forma.



Não obstante, a culpa, afinal de contas, não é, de todo, desta juventude alienada e sem norte, mas sim do regime do MPLA que apostou, desde muito cedo, na importação, fabrico e propaganda das bebidas alcoólicas para manter essa malta brava distraída e totalmente perdida. Algo para dizer que o regime aprendeu bem a lição do colonizador português que usou o método do vinho para facilitar a sua penetração em território angolano e a consequente colonização e subjugação dos indígenas. Não foi em vão que em 2008, antes das eleições legislativas, houve muito fino gratuito a jorrar nas torneiras de O’mbaka. Não será espantoso, com certeza, ver rios caudalosos de cuca nas esquinas de todo o país, na véspera das primeiras eleições atípicas de Angola, em 2012. A culpa é de quem detém o poder que não promove políticas sérias e inclusivas mas de exclusão a todos os níveis. A culpa é de quem preferiu governar contra o povo e contra a juventude…


Quem irá governar Angola nos próximos trinta anos?


Não serão, debalde, os veteranos, actualmente nos postos governativos. Eles já “fizeram muito para Angola”. Correram com o colono, inventaram uma Constituição atípica e cunharam a “gasosa” e a “catorzinha”. São autênticos cientistas e peças valiosas para os nossos futuros museus. E, além de mais, muitos deles, até lá, contarão já com mais de cem anos de idade. Também não serão esses jovens ávidos da “boa vida” sem nada quererem fazer para merecê-la. Seria querer colher sem nunca antes ter semeado.



Ademais, Não é que essa juventude alienada não seja potencialmente capaz de mudar o rumo das coisas. Não é que não seja inteligente. É-o, efectivamente, porém canaliza as suas energias em futilidades. Foi-lhe habituado assim. Foi “educado” a perder o tempo em baboseiras, enquanto “os cães ladram e a caravana vai passando”. Não é que a juventude não deva divertir-se, mas que o faça de forma moderada e não se esquece da sua missão na terra. Que deixe para trás o espírito do “deixa andar”, o medo e o princípio segundo o qual “ché menino, não fala da política”. Que a política é apenas para uma elite de poucos privilegiados que podem fazer tudo e de todos a seu bel-prazer. A política é a arte de organizar e administrar a “polis” – a cidade, e que todo o homem é por natureza um “zoon politikon”, um ser político, no dizer dos clássicos gregos. Negar essa evidência e alhear-se das questões políticas equivalia a negar-se a si mesmo, enquanto ser humano. Incentivo, então, a juventude a não encarar a politica como sinónimo de morte mas como um meio através do qual é possível participar activa e efectivamente na organização da sociedade e na promoção de valores humanos, cívicos, culturais e no bem comum. “Nós não podemos nem devemos passar por esse mundo como cabritos”, dizia o meu reitor, actual Director da Ecclésia, Padre Maurício Camuto. E “o que faço é uma gota no oceano, mas sem essa gota o oceano não seria o mesmo”, Madre Teresa de Calcutá.


Mas quem serão, então, os governantes desse portentoso país?



É imperioso que a juventude angolana, refiro-me a juventude angolana, em geral, e não apenas a JMPLA, porque esta não é toda a juventude angolana como muitas vezes se pretende fazer crer e nem a Jura, mas da juventude angolana toda e toda a juventude angolana, sem distinção, saia da letargia e comece a ser mais consciente do presente e perspective melhor o futuro. Que seja mais interventiva, criativa, dona do seu próprio destino e desempenhe o seu papel para que possa passar, amanhã, um testemunho válido e digno às gerações vindouras. É necessário que a juventude ocupe o seu lugar antes que os filhos dos “mwatas” a se formarem no estrangeiro venham ser os únicos substitutos naturais e legítimos dos seus progenitores dos actuais cargos políticos e administrativos, em alguns casos até sem mérito, e o jovem actual, não continue a ser um autêntico assistente da peça teatral a distância e eterno mendigo de consciência. Que o jovem de hoje que é o velho do amanhã não lamente, se nada fizer para que algo construtivo aconteça, pois como diz o aforismo, “quem semeia ventos só colhe tempestades”.

Viva A juventude angolana. Viva Angola.

Fernando Kapetango,






Debate este tópico nas redes sociais:

Comente via Facebook, Hotmail, Yahoo ou AOL!




Debate este tópico no Club-K:

Comente no Anónimato (sem iniciar sessão) ou via Redes Sociais (Facebook, Twitter, Google ou Disqus)!

Quem Somos

CLUB-K ANGOLA

CLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

Informamos o público sobre as notícias e informações ausentes nos canais informativos estatal.  Proporcionamos ao público uma maneira de expressar publicamente as suas opiniões sobre questões que afectam o dia-a-dia, qualidade de vida, liberdades e justiças sociais em Angola... Leia mais

Contactos

 

  • E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • WhatsApp: (+244) 918 512 433 Para uso no aplicativo WhatsApp apenas!

  • Angola : (+244) 943 939 404 

  • Reino Unido : (+44) 784 848 9436

  • EUA: (+1) 347 349 9101 

Newsletter

Assine a nossa Newsletter para receber novidades diárias na sua caixa de e-mail.

INSERE O SEU E-MAIL

// TAG FOR ADVERTISEMENT