Benguela – Se as eleições presidenciais fossem hoje, com um sistema semi-presidencialista, José Eduardo do Santos teria o pior resultado de todos os tempos. Em Benguela, segundo pesquisas, 80% dos eleitores do MPLA não votariam em José Eduardo dos Santos. Vítima do seu próprio partido e do seu próprio governo. A cama de José Eduardo dos Santos está a ser feita pela sua própria “entourage”. Estão a afastá-lo, cada vez mais, de Angola e dos angolanos de Angola.

Fonte: Jornal Chela Press
Passado que está o prazo, é suposto que José Eduardo dos Santos, presidente da República de Angola, tenha já dado como facto consumado e, nada mais há a fazer quanto à tragédia que se abateu, no último mês de Março, sobre a cidade do Lobito e posteriormente sobre Benguela cidade capital da Província de Benguela.

Criam-se então, mas só para “inglês ver”, comissões de apoio e de acompanhamento, e esqueceram-se, naturalmente, de criar, uma comissão para produzir um relatório que reflectisse as causas, os prejuízos humanos e materiais, os imprudentes, os irresponsáveis responsáveis pela mortandade e as medidas a serem tomadas pelo Estado.

Porém, os angolanos de Angola, atentos por tudo quanto têm vindo a acompanhar, mais a mais, com exemplos em anteriores comissões, admitem muito pouca crença, ou seja, não acreditam no final, na produção de um documento sério. Que final! A tragédia já esta negociada, enterrada, esquecida e, agora ludibriada.

Cabe lembrar, às tragédias, duas lições básicas do universo político. Quando deixam o mundo da mitologia para retornar à condição de seres comuns, os especiais da política podem revelar-se desgraçadamente humanos, fracos e falíveis.

O preço não contabilizado “da falta de sensibilidade, de uma nota de solidariedade, de um pronunciamento obrigatório do presidente da República e da sua visita à cidade do Lobito, “seria” não permitir a visita de Denis Sassu N'guesso, presidente do Congo à população do Lobito”.

Denis Sassu N’guesso presidente do Congo veio à Angola fazer campanha. É certo que o presidente do Congo tem no seu país, nos próximos tempos, as eleições às portas. Por conseguinte, conciliou a constatação de oportunidade de negócios com a visita e entrega de uma doação à população do Lobito, vítima da tragédia que matou dezenas de pessoas. A avalanche de criticas, ao presidente da República de Angola, com uma repercussão sem precedentes, o resultado, ofuscou a sua imagem de chefe de Estado, e deixou a nú a sua demissão em relação aos problemas do país.

Também é bem verdade que, se o presidente da República tivesse vindo ao Lobito, passado o tempo que passou, juntamente com o presidente do Congo, teria sido, na certa, vaiado e humilhado pela população. Pois já tinha perdido a sua oportunidade. Preferiu em detrimento do seu suposto povo, deslocar-se outrossim, à vizinha Namíbia, para com aquele povo vizinho, festejar os 25 anos de independência, espezinhamento em absoluto deste povo, a quem deve a sua reeleição.

Agora, depois deste duro golpe contra si próprio, resta saber para qual dos lados o presidente da República caminhará.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: