Luanda - O advogado David Mendes promete defender em tribunal o líder da igreja Adventista do Sétimo Dia a Luz do Mundo, Julino Kalupeteca, acusado pelo governo de ter causado a morte de nove polícias nas províncias de Benguela e Huambo, no dia 16 de Abril.

Fonte: RA
Em entrevista à Rádio Despertar, o advogado informou que neste momento encontra-se na província do Huambo uma equipa de peritos da Associação Mãos Livres, com a finalidade de investigar as razões que motivaram os fiéis da seita a rebelarem-se contra os agentes da Polícia Nacional.

“Temos neste momento naquela província, dois advogados disponíveis para fazer os primeiros trabalhos preparatórios, dentre eles acompanhar as audiências de Kalupeteca, e pessoalmente, vou garantir a defesa deste cidadão”, garantiu.

David Mendes entende que a Polícia Nacional deve justificar os motivos que o levaram a perseguir os cidadãos da igreja, que se encontravam acampados na serra do Sumé.

“Nós achamos que há coisas que não estão a ser ditas. Porque a polícia foi ter com estes cidadãos? Se eles não permitiam que os filhos fossem às escolas, quantas crianças aqui em Luanda, não vão à escola por culpa do Estado? O Estado já se penitenciou? Porque o estado deve perseguir meia dúzia de pessoas porque os filhos não vão à escola, quando milhares de crianças no país não vão para à escola?, questionou o advogado, reiterando que os fundamentos apresentados pela polícia não são justificáveis.

David Mendes lembrou que a liberdade religiosa está garantida na Constituição da República de Angola. “A ninguém pode ser vedada a sua convicção religiosa. Por isso, a polícia deve justificar o que foi lá fazer”, concluiu.

Direitos Humanos

O advogado David Mendes já defendeu vários casos ligados a direitos humanos no tribunal, como o do jovem Nito Alves, acusado pelos serviços secreto do Estado, por crime contra os órgãos de soberania, ao ter mandado imprimir várias t-shirts com slogans contra o presidente José Eduardo dos Santos, e também o caso “Alves Kamulingue e Isaías Cassule“, dois activistas cívicos assassinados por agentes secreto do governo.

O advogado está de igual modo a defender o jornalista e activista cívico Rafael Marques, acusado de crime de calúnia e difamação por sete generais e os representantes de duas empresas diamantíferas.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: