Lisboa - É impressionante o nível abundante de obedientes no Jornal de Angola. Semelhantes a cordeiros que só seguem o pau do guia. É questionável a capacidade de análise dos múltiplos DOUTORES que labutam neste órgão estatal.


Fonte : Club-k.net

O “cooperante Artur Queiroz”

Joaquim Ribeiro é o “criador respeitável” no jornal de Angola. E, a saga Artur Queiroz é o epicentro do nível superlativo do melhor cordeiro já mais existente neste órgão estatal. E os jornalistas e funcionários do Jornal de Angola são que nem os “filhos da ovelha, ainda novo e tenro igual ao anho borrego. Ou melhor “funcionários mansos, humildes e inocentes.


O problema  Artur Queiroz é prova da domesticação - anho -  existente no Jornal de Angola. Um “cooperante” que trabalha como assessor ocasional do DG deste matutino a 8 anos é agraciado com um salário acima de 10 mil dólares por mês e extra benéficos como uma pensão vitalícia que ronda os 6 mil dólares por mês. E outros bónus como viagens pagas a metrópole portuguesa e caridade paga aos gastos na manutenção da casa  - grátis -  e transportação. Enfim, um pacote sem fim que engloba a esposa e filhos.


No jornal de Angola existem não só jornalistas como funcionários administrativos que labutam neste matutino a mais de 20 anos num regime integral e não têm um seguro básico de saúde.  Nenhum jornalista no Jornal de Angola ostenta um salário de 10 mil por mês. Nenhum jornalista tem viagens pagas para o exterior do país. Nenhum jornalista tem incluído no contrato de trabalho uns trocados extra para pagar motorista e governanta da casa.


Enfim, Artur Queiroz é o “cooperante” “mais bem pago” pelo governo de Angola no poder e prova que vivemos num regime aonde o estrangeiro é visto como um extraterrestre com conhecimentos acumulados superiores a qualquer filho de Mandume ou da rainha Ginga.


A par desta lamentável percepção do regime no poder quanto a desvalorização dos quadros nacionais relativamente aos “cooperantes” é a morosidade e preguiça da população em geral de reagir e clamar pelos seus direitos contemplados pela constituição em vigor.


É difícil perceber  que apesar de existirem tantos DOUTORES em diversas áreas do saber no Jornal de Angola nenhum até ao momento foi capaz de reflectir, organizadamente e ordeiramente compor um mafesto público para chamar a razão o man Ribas. Será que estes DOUTORES do Jornal de Angola estão conscientes do disfuncionamento existente nesta empresa pública. Será que estam conscientes deste triste e lastimável comportamento. Será que reconhecem que esta acção os compromete e questionam se estam em altura de analisar profundamente alguns assuntos complexos.


Com todo respeito estamos perante um rebanho de jornalistas incapazes de analisar um facto além do horizonte.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: