Foi assim, nesse clima, que o grupo SSP "invadiu" a Portaria do Cine Atlântico, em Luanda, neste domingo de céu fechado, para vender três mil e 500 cópias do seu "Best Of", e testar a sua popularidade, volvidos oito anos desde a saída do primeiro integrante.

À partida, era improvável a não enchente do local na primeira sessão de venda desse produto dos "pioneiros" do hip-hop angolano, a julgar pelo histórico, pelo sucesso obtido e pelo retorno, ainda que temporário, desses dois ex-vocalistas.

A expectativa era grande, até para Big Nelo, Jeff Brown, Kudy e Paul G que, apesar dos três discos gravados juntos, nunca estiveram ali, na condição de anfitriões.

Ansioso, o quarteto retardou a chegada, alegadamente para encontrar um clima de festa. Mas o "staff" estava lá, desde às oito horas da manhã, para ajudar nas vendas e a manter a ordem na "casa". O nível de vendas não era o desejado, mas já agradava.

Uma hora depois, as estrelas do Atlântico dão a cara. Rapidamente ocupam os quatro lugares estrategicamente montados, para atender quase 150 pessoas. Pouco para um grupo que já foi, na década de 90, o líder nacional no "ranking" da popularidade.

Eles esbanjavam sorriso. Parecem querer mostrar que está tudo bem entre si, apesar da separação. Depois de quase 30 minutos de vendas, um pequeno microfone, intruso, vai-lhes à face, à boca (…). E saem as primeiras palavras. Diziam-se prontos para enfrentar possíveis dez horas (das 8 às 18) consecutivas de autógrafos.

Parece haver discos para todos. A bancada de venda não para de arrecadar verbas (dois mil e quinhentos por CD, incluindo um bilhete para o show do dia 29 de Maio). As pessoas chegam, compram, mas a esperada fila enorme teima em não se fazer notar.

Moreto Silva é um dos que acordou cedo e, mesmo antes das 11:00, obteve o seu exemplar com os 20 maiores sucessos do grupo. Alegre, o comprador já não teve de cumprir bicha, nem ter a "paciência de chinês" dos primeiros 150 fãs.

Chamado à reportagem da Angop, confessa ser amigo pessoal de um dos integrantes do grupo, Paul G, mas assume o fanatismo pela música do quarteto. "É uma mais valia para a música angolana velos aqui de novo", declara.

A concorrência é pequena. Mas muitos querem falar e botar para fora o prazer de rever os músicos, enquanto esperam pela hora de autografar o CD. Alguns apenas observam, com expectativa, mas jamais se aproximam da mesa de vendas.

Mesmo sem verbas, dão o seu calor à distância. Os compradores vão se sucedendo, mas esses, mesmo sem discos à mão, permanecem, à espera de um doador, ou talvez de um brinde de Big Nelo e companheiros. São na maioria jovens, do sexo masculino.

As mulheres pouco aparecem e, quando o fazem, rapidamente dão um jeito de esquivar o repórter. Elas deixam o dinheiro, o compromisso de estar presente no primeiro dos dois show do grupo (dia 29), o coração (...), mas escondem a voz.

O clima continua animado, apesar de o céu bloquear os raios do sol. De repente, chega à portaria o cidadão Zé Paim, "exibindo" seus cabelos brancos. Ele quer chega-se à mesa, quer comprar discos, mas não concorda com o preço e recua.

À saída, vê o repórter, parece temer a entrevista mas, quando solicitado, acede à conversa. A primeira declaração é um desabafo. "Estão a dizer que só se pode comprar com o ingresso e isso fica complicado. Eu vou viajar. Se comprar o bilhete não estou a fazer nada. Vou ligar para os meus filhos e dizer que não comprei".

Na segunda abordagem, abre o jogo, diz conhecer os SSP, mas confessa que a sua admiração é o semba. Só compra música rap para os filhos.

Desde o começo das vendas, a movimentação popular não vai muito para além da portaria. As pessoas vão chegando, comprando e saindo. No local, não há qualquer agente para regular o trânsito em caso de um repentino aumento no fluxo de viaturas.

Essa é uma medida cautelar que muitos grupos populares têm posto em prática. Mas Big Nelo, Jeff Brown, Kudy e Paul G fazem o seu papel. Ali estarão até às 18 horas, para receber o fã, seja jovem, seja adulto, seja mulher, seja homem. Enfim! Basta ser angolano e amante de música original, para juntar-se à festa do "Best of SSP".

*Elias Tumba
Fonte: Angop



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: