Lisboa - Foi detida na tarde da passada sexta-feira (5) em Luanda, Micaela Patrícia Luceu José, funcionária do Banco de Poupança e Crédito (BPC) que exerce as funções de gestora da direcção private (organismo interno que trata dos cartões visas e atendimento personalizado a clientes VIP, ou seja, neste departamento o cliente tem acesso a serviços personalizados para a movimentação bancária do dia-a-dia).

 

Fonte: Club-k.net

Desde que esteve a ser investigada, a mesma foi intimada e ouvida algumas vezes para prestar esclarecimento sobre operações que a mesma terá feito. Era ouvida e logo a seguir mandada para casa. 

 

Porém, na tarde de quinta-feira, horas depois ao almoço, ela seria surpreendida no local de trabalho por oficias da Procuradoria Geral da República (PGR), que traziam um mandado de captura resultando na sua imediata detenção.

 

Foi também levado um outro colega de nome impreciso. Todos eles suspeitos de terem incorridos em irregularidades enquanto funcionários do BPC.

 

A detenção de Michela foi a que mais chamou atenção tendo em conta que nos últimos tempos, os colegas notaram nela sinais de “extravagância” desproporcional ao seu ordenado. 

 

A versão da alegada extravagância é desdramatizada por fonte contactada pelo Club-K que sustentam  que Michela Lucéu  já tinha os seus pequenos negócios antes de ir trabalhar para o banco.

 

“As pessoas são também invejosas. Antes dela entrar no BPC, já tinha os seus empreendimentos. Agora tem a sua loja na Filda, o salão de cabeleireiro e a boutique, apesar de ter amizades  com homens com alguma posse", ressaltou.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: