Luanda - Coragem e inteligência político-cultural, a si novo governador da província do Cunene, Mestre Tyova.

Fonte: Club-k.net

Escrevia, eu, há dias que. Cunene espera de si um governador elo de unidade entre os habitantes e filhos do Cunene, e não só e que seja um governador inteligente e diligente, académico e do povo, capaz de ir colher, noutros países bons exemplos de boas práticas de desenvolvimento e de governação capaz de implementar boas, credíveis e duráveis infraestruturas. Um governador que tenha visão e determinação, capaz de fazer ruas, mesmo sem asfalto, nos bairros das cidades da província, capaz de fazer estradas terraplanagem (já que o asfalto está caro) que dê acesso a todos os cantos e recantos da província para circulação de pessoas e bens e fomentar, assim, a diversificação da economia. Seja um governador à altura dos desafios do nosso tempo, à altura dos grandes homens e mulheres que Cunene tem. Seja um homem humanizado, patriota, simples, humilde, rigoroso, dialogante, ouvinte, visionário e com sentido de estado”.

 

Também escrevi há meses ao senhor presidente JLO, que “um líder exímio, na África multiétnica, se distingue, sobretudo, pelos sábios pormenores de visão holística e de decisões unificadoras e equitativas. Se em Angola existem grandes grupos etnolinguísticos, por quê razão politica e administrativamente não são aproveitados, conforme as caraterística de cada qual para o desempenho das tarefas governativas em benefício de todos? Em harmonia à igualdade, à justiça, ao respeito, a promoção de todos à responsabilidade comum, etc., não podia, o Senhor Presidente escolher os seus ministros, secretários de estado e os seus governadores, em cada um dos grupos etnolinguísticos para que o povo, e a nação no seu todo, seja representado justamente? Isso é que seria um verdadeiro Governo do povo angolano de Cabinda ao Cunene, de Benguela ao Moxico, porque todos se sentiriam presentes e representados na pessoa dos membros do seu grupo da sua província. Isso não é segregação, nem demagogia e nem artimanhas, ao invés de pensar-se de que os naturais de Luanda ou os que vivem ou viveram em Luanda sejam únicos mais capazes de governar do que os outros. A inclusividade na governação e nas decisões para o bem da nação deve passar por todos e para todos”.

 

Outrossim, segundo os resultados definitivos do Censo 2014, 52% da população total residente é feminina. Sendo assim, a não representatividade das mulheres na governação de João Lourenco, para além de ser uma injustiça social e de género, é um perigo para o seu sucesso se elas um dia despertarem dessa injustiça. São elas que são uma boa base de seu apoio em todas as províncias.

 

Por isso, senhor Governador Tyova, como académico e homem de direito que é, e sobretudo pela sua postura nestes últimos dias desde que é governador do Cunene, tem nas suas mãos o futuro da província do Cunene. E só depende de si escrever, com letras Grandes e de Ouro, o seu nome na história do Cunene, de Angola, de África e do mundo civilizado. Gostei de muitas das suas intervenções nestes poucos dias no Cunene. Espero que não mude e cada vez mais se firme e descole dos seus antecessores e das figuras históricas reias do Cunene.

 

Dos conselhos dados a cima, quero acrescentar alguns, como filho desta província do Cunene e, sobretudo, desejoso do bom desempenho êxitos para o senhor governador. Como disse, está nas suas mãos, no seu coração e na sua inteligência marcar a história do Cunene. Dê uma lição a Angola, à África e as civilizações ocidentais orgulhosas, ufanamente, da sua superioridade intelectual, administrativa, humanista e de género. Ame-se a si mesmo e ao seu povo, dignifique a sua família, aproveite as suas capacidades intelectuais para o sucesso (diálogo descomplexado) da sua governação no Cunene. Dance com o povo nos seus dias alegres de luz, e chore com ele nas suas noites tristes e da dureza das suas vidas. Conquiste a história à imagens das figuras emblemáticas como Mandela, Gandhi, Luther King, Deng Xiaoping, Kennedy, João Paulo II, etc. A sua marca histórica no cômputo nacional e mundial não dependerá da riqueza de quantos milhões que terá no banco, mas sim das decisões e políticas humanista-cristãs que tomar e implementar para o bem das pessoas do Cunene e da humanidade humanizada que elas representam na cena mundial.

 

Senhor Governador Tyova, você tem a oportunidade de dar uma lição aos governos das outras províncias, do governo central e de África. Tem uma província com quadros jovens e adultos suficientes, vibrantes e competentes. Sente, reflita e atue de forma holística, sustentada, sistematizada, consistente e dialogada. De forma parcimoniosa, reúna no seu governo todas as etnias e géneros da província do Cunene. Entrega, por nomeação ou não, as direções provinciais, as administrações municipais e comunais, equitativa e repartidamente, aos diferentes grupos etnolinguísticos que compõem o mosaico populacional do Cunene e tendo em conta a distribuição populacional por género e faixa etária. Preencha as quotas africanas e mundiais de distribuição de género, mulher por homem, conforme as percentagens e competência da população do Cunene: Homens e Mulheres, Jovens e Adultos e grupos etnolinguísticos. Ouça os conselhos dos mais velhos e até dos burros da província. Diz-se, entre Ovawambo, que Elai olamonene oita (o tolo previu a guerra) e tira proveito de todos os extratos sociais e nível intelectual de cada um para o seu sucesso, como governador do Cunene e para o bem-estar dos povos do Cunene. Cristão católico que você é, não despreze os conselhos dos cristãos e dos seus líderes eclesiásticos do Cunene, a amizade e compreensão ou a inimizade e hostilidade com eles, dependerá o seu sucesso ou o seu fracasso como governador do Cunene. Não seja hipócrita com eles nem subserviente, mas firme e hirto com cara lavada e postura de líder humanista dialogante e compreensível.

 

Segundo um artigo publicado pelo portal CLUB-K, nesta segunda-feira dia 8, com o título “Vigílio Tyova em contra mão com a Lei n.o 3/10”, o senhor governador tem problemas no Huila, onde exerceu funções de administrador municipal do Lubango, acusam-nos os populares do bairro Tchyoco da usurpação do seu terreno. Assim, o senhor, como administrador municipal do Lubango, “violou várias normas jurídicas dentre as quais, a Lei n.o 3/10, de 29 de Março”, porque o “Contrato celebrado entre Vigílio Tyova (concedente) e Vigílio Tyova (concessionário) fere importantes princípios da Lei da Probidade Pública, que exige que “o agente público paute-se pela observância de valores de boa administração e honestidade no desempenho da sua função, não podendo solicitar ou aceitar, para si ou para terceiro quaisquer facilidades”. Mediante essas acusações, falsas ou verdadeiras, gostaria de pedir, ao senhor governador Tyova, que seja prudente e tolerante zero na futura nomeação dos seus colaboradores diretos. Não nomeie jamais, para agentes de cargos públicos, como vice- governadores, diretores(as) provinciais, assessores, administradores municipais e seus adjuntos, diretores de escolas e hospitais etc., pessoas que tenham processos judiciais a decorrer (não julgados) nos tribunais angolanos. Deixe a justiça trabalhar livremente e os indiciados se defendam das acusações, sem terem que perturbar a normal funcionalidade da gestão pública. A província está cheia de quadros disponíveis e livres de processos judiciais a quem o senhor governador pode lançar mão para integrá-los no governo da província. Deixe os indiciados prevaricadores tratarem das suas causas com a justiça e quando forem julgados e inocentados, então voltem a exercer as funções de gestores públicos normalmente. Estamos numa nova era.

 

Por isso, senhor Governador Tyova, ser sobrinho do general Kundy, não significa ser como ele foi no Cunene. É verdade que muitos lhe olha assim, mas cabe a si, em consciência e maturidade humano-política-intelectual, ser diferente e autónomo, conforme a sua formação e educação de base. Olhe e reflita sobre as críticas que lhe fazem nas redes sociais, mas seja maduro pelo bem e siga o seu caminho para o desenvolvimento da província do Cunene e para o bem humano-social do seu povo. Você tem o caminho aberto para dignificar a sua tribo nhaneca-humbe, sendo ela minoritária no Cunene e com menos quadros. Aproveita a oportunidade para superar o rei Tchitekela, o rei Luxhuma, o rei Mandume, o Dr. Didalelwa, o Sr. Mutindi e outros. No final do seu mandato de governação, que desejamos que seja exitosa, nós, como povo do Cunene, iremos render-lhe homenagens. Será recebido em todos os cantos do Cunene com simpatia e alegria como Pai cunenense e Deus lhe retribuirá graças de longa vida e da saúde físico-espiritual para ver crescer os filhos dos seus filhos e de todos os nossos filhos e netos, em harmonia, prosperidade e justiça.

Viva o Cunene
Viva o Tyova, novo governador.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: