Luanda - Milhares de cantinas pertencentes a cidadãos estrangeiros, maioritariamente do Mali, estiveram encerradas na terça-feira, 6, no dia em que arrancou a Operação Resgate com os seus proprietários a dizerem que estavam com meda das autoridades policiais.

*Coque Mukuta
Fonte: VOA

Alguns queixam-se de serem “multicaixas da polícia”, enquanto vendedeiras angolanas também queixam-se das acções das autoridades.

 

Alguns elementos do auto-denominado Movimento Angolano Revolucionário marcou para o próximo dia 17 uma manifestação contra o que diz ser “agressões contra as vendedeiras”.

 

As cantinas voltaram a abrir as portas em Luanda, par satisfação dos moradores, mas os seus donos ainda temem pelo seu futuro.

 

“O medo continua… ontem era pior, mas ainda estamos com medo”, disse à VOA um cidadão do Mali, enquanto outro da Costa do Marfim apontou o dedo à polícia mesmo antes do início da Operação Resgate.

 

“Nós, os estrangeiros em Angola, já nos tornamos nos multicaixas dos policias, de agentes do Serviço de Investigação Criminal e até fiscais de obra, todos entram nas cantinas”, denunciou

 

A VOA contactou Orlando Bernardo, porta-voz do comando-geral da Polícia Nacional de Angola, para responder às acusações que pensam sobre os agentes da policia mas não obtivemos qualquer resposta.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: