Luanda - As empresas estrangeiras que operam no país podem repatriar dividendos até ao valor de 5 milhões de dólares resultantes das suas actividades, sem o licenciamento do Banco Nacional de Angola (BNA), anunciou José de Lima Massano.

Fonte: Angop

Ao falar nesta quinta-feira em conferência de imprensa, que serviu para apresentar o balanço do 3º trimestre do Programa de Estabilização Macroeconómica 2018, Lima Massano disse existir apenas um caso de repatriamento de dividendos que envolveu a intervenção directa do BNA, que estabeleceu um calendário para a transferência dos mesmos, tendo em conta a magnitude dos valores envolvidos.

 

Apesar das melhorias já registadas nas operações sobre divisas que envolve empresas, bancos comerciais e o Banco Central, disse que o BNA está a rever as normas para conferir maior facilidade e segurança.

 

A este respeito, o governador referiu que o BNA tem estado a fazer um acompanhamento com grande rigor da acção dos bancos comerciais em relação a disponibilização de divisas aos operadores económicos.

 

“Temos estado a fazer vendas com maior regularidade, e para Novembro, por exemplo, disponibilizamos 850 milhões de dólares para que as operações possam ser efectuadas com menor dificuldade”, explicou.

 

Na conferência de imprensa, o ministro das Finanças, Archer Mangueira, disse que o Governo poderá fazer ajustamentos pontuais na Pauta Aduaneira que entrou em vigor em Agosto último, com vista a proteger a produção nacional e fomentar as exportações.

 

Por sua vez, o ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior, lembrou que, entre 2016 e 2017, o país conheceu uma recessão com taxas negativas ao redor de dois por cento.

 

Para este ano de 2018, prevê-se uma ligeira recuperação da economia com uma taxa negativa que poderá se situar entre (-0,1) a (-1,1) por cento), quando as previsões para 2019 apontam uma recuperação, com crescimento de 2,8 por cento.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: