Luanda - Os serviços Aduaneiros detiveram ontem, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, o cidadão angolano de 37 anos de idade, Miguel Gama, a contrabandear o transporte de 1 190 310 dólares e 49 450 euros para um voo que tinha como destino a cidade de Lagos, na Nigéria.


Fonte: JA


A informação obtida pelo Jornal de Angola do chefe da Secção de Navegação e Controlo dos Serviços Aduaneiros da Administração Geral Tributária (AGT) no aeroporto, Salomão Huíla, identificou Miguel Gama como funcionário da companhia aérea nigeriana Arik Air, com escritório instalado numa área contígua à sala do Protocolo de Estado.


O funcionário da Arik Air foi interpelado na placa do aeroporto a 1h00 da manhã de ontem pelos Serviços Aduaneiros, que detectaram através do scanner uma quantia de 200 mil dólares embalada para ser entregue a passageiros que embarcavam no voo W3-116, com destino à cidade nigeriana.

 

A embalagem que envolvia o montante identificava, pelo nome, o destinatário do valor em Lagos, levando os oficiais dos Serviços Aduaneiros a solicitarem uma verificação dos escritórios, onde se depararam com os volumes que totalizaram o valor da apreensão.

 

A intenção aparente do funcionário detido era a de traficar volumes semelhantes em várias viagens entre os escritórios e o avião, de acordo com o responsável dos Serviços Aduaneiros, que também descartou a hipótese do dinheiro estar relacionado com operações da companhia aérea.
“Por razões de segurança, as agências não podem gerir avultados valores. Conseguimos perceber que o dinheiro apreendido pertencia a cidadãos residentes na Nigéria pelo facto dos montantes estarem selados com fita adesiva e com nomes devidamente identificados”, declarou o oficial.


A placa do aeroporto, prosseguiu Salomão Huíla, é uma zona onde parqueiam aeronaves de várias companhias, o acesso é mais restrito e a circulação de funcionários obedece a critérios impostos pela Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e Navegação Aérea (ENANA).

 

O funcionário da Arik Air conseguiu passar todas as barreiras porque estava em serviço e a sua condição permitia circular sem qualquer constrangimento mas não contava, disse, que “em todo o Aeroporto Internacional temos montados vários pontos de rastreio que nos permitem identificar qualquer anomalia”.

 

O caso, segundo o responsável do serviço afecto à AGT, está entregue ao Serviço de Investigação Criminal (SIC), que prossegue as averiguações. “Temos estado a envidar esforços com a Polícia Fiscal, ENANA, o SIC e a Unidade Aeroportuária da Polícia Nacional para combater actos desta natureza”, acentuou.

 

O Jornal de Angola apurou que os Serviços Aduaneiros depositaram, no fim da manhã de ontem, os valores apreendidos numa conta do Banco Nacional de Angola na agência que o Banco do Comércio e Indústria (BCI) tem aberta no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.


A Arik Air, uma companhia aérea privada com sede em Lagos e operações iniciadas em 2002, realiza voos entre Luanda e a cidade nigeriana com partidas à 1h30 e chegadas 4h30, tendo também ligações entre a capital angolana, Accra (Ghana) e Dakar (Senegal).

Apreensões em ascensão


Ontem, o Jornal de Angola publicou informações dos Serviços Aduaneiros a anunciarem a apreensão em todo o país, entre Janeiro a Maio, de 7 084 815 dólares por infracção cambial (6 995 715 dos quais pelo Piquete do Departamento de Fiscalização Aduaneira do Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro), além de 52 412 500 kwanzas e 54 940 euros.


De acordo com essa informação, nesses actos estiveram envolvidos 19 cidadãos angolanos e 17 de países como a Nigéria, Mali, República Democrática do Congo (RDC), China, Senegal, Vietname, Costa do Marfim e São Tomé e Príncipe.


Os destinos usados pelos infractores ligam Luanda com as cidades de Addis-Abeba, Brazzaville e Lisboa, sendo a bagagem de mão, camuflagem na bagagem acompanhada, o corpo do passageiro e roupa ,os métodos mais usados nas tentativas de iludir as autoridades.


Outras rotas situadas entre as mais usadas pelos infractores ligam Luanda ao Dubai, Casablanca, Porto, São Paulo, Joanesburgo e São Tomé.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: