Luanda - Começa na próxima segunda-feira, (01/07/2019), o julgamento de Francisco Teixeira, presidente do Movimento dos Estudantes Angolanos, que em 2017 teve trocas de palavras com o  antigo director de informação da Televisão Publica de Angola, Gonçalves Ihanjica. O desentendimento deveu-se a acusações que insinuavam o profissional  da comunicação social  como sendo  "um dos culpados no crime contra humanidade que decepou milhares de cidadãos angolanos, após um ataque mortífero da febre amarela em 2016."

*Rui Santiago
Fonte: Club-k.net

Estão arrolados no processo como declarantes, o jornalista Alexandre Cose por ter estado no momento em que Francisco Teixeira e  Gonçalves Ihanjica tiveram trocas de palavras por telefone.   Outro declarante é o jornalista  Jorge Eurico a quem lhe é atribuído  o teor de uma carta reivindicativa no seio dos funcionários da TPA.

 


Na referida  carta assumida pelos funcionários da TPA,  Ihanjica que ocupava o cargo de Administrador Executivo e Director de Informação até 2017, era descrito  como tendo se "aproveitado do cargo para escamotear a verdade e esconder as mortes de mais de milhares de angolanos para não manchar a antiga gestão de José Eduardo dos Santos."

 

Em função da alegada acusação, o antigo responsável da TPA,   decidiu levar o caso a tribunal para as devidas responsabilidades.

 

 Francisco Teixeira, o acusado das delgadas injurias,  está arrolado neste caso que tem como numero de processo (2118/017-02-SIC)  e instruído por  Paulo Paca, do SIC.

 

De lembrar que o  líder estudantil foi ouvido pela primeira vez no dia 18 de Junho de 2018.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: