Luanda - O secretário de Estado para o Desporto, Carlos Almeida, considerou hoje, em Luanda, que a participação da selecção nacional de futebol no CAN2019, que decorre no Egípto, "não foi um fracasso de todo, tendo em conta o nível de dificuldade bastante elevado da competição".

Fonte: Angop

Segundo Carlos Almeida que falava à imprensa no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, onde testemunhou a chegada a Luanda dos Palancas Negras, não podemos considerar de todo um fracasso porque a equipa nacional dignificou o país pela forma como se apresentou em campo e pelos resultados conseguidos.

 

Referiu que os jogadores, a equipa técnica e a federação de futebol (FAF) tudo fizeram para representar de forma condigna o nosso país e quando é assim devemos apoiá-los, sublinhado que foram cometidos alguns erros e daí tirar ilações para que não sejam cometidos em outras circunstâncias.

 

Diferente do secretário de Estado, o capitão do onze angolano, Mateus Galiano admitiu o fracasso, uma vez que os Palancas Negras não atingiram o objectivo inicial: a passagem aos oitavos-de-final do campeonato, iniciado a 21 de Junho e com término a 19 de Julho.

 

Para além da equipa técnica, chefiada por Srdjan Vasiljevic, desembarcaram, na capital do país, os jogadores Tony Cabaça, Dany Massunguna, Isaac, Makaia, Show, Mabulu, Herenilson e Landu. Geraldo e Paizo chegaram quinta-feira, enquanto os restantes jogadores rumaram para os respectivos países onde actuam.

 

A precisar apenas de um empate, os angolanos foram incapazes de se impor, terça-feira última, perante os malianos, perdendo a oportunidade de fazer melhor ou igual aos quartos-de-final das edições de 2008, no Ghana, e 2010, no país.

 

O onze nacional terminou na terceira posição do grupo E, com dois pontos, fruto de dois empates, sendo o primeiro com a Tunísia (1-1) e o segundo com a Mauritânia (0-0).

 

O Mali liderou, com sete, seguido da Tunísia, com três. A Mauritânia ficou em último, também com dois pontos, nesta que foi a oitava participação de Angola num CAN em seniores.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: