Lisboa – Faleceu,  no passado dia 11 de Julho, vitima de doença, o coronel Daniel Domingos de Castro, o oficial da Unidade de Segurança Presidencial que serviu por cerca  de três décadas como ajudante de campo do antigo Presidente José Eduardo dos Santos (na foto atrás do antigo estadista).

Fonte: Club-k.net

Daniel Domingos de Castro, que contava 74 anos de idade, entrou para a Presidência da República ainda jovem, ao tempo do primeiro Presidente Agostinho Neto que o trouxe de uma brigada do interior do país.

 

Natural do norte de Angola, o malogrado teve passagem pela UPA,  porém, foi pelas mãos do MPLA, ao tempo do partido único   que foi feito guarda de Sam Nujoma, então líder da SWAPO, que  viveu em Angola.  Com a morte de Neto, o então novo Presidente Eduardo dos Santos, fez de “Dani”,  em meados dos anos 80, como  seu principal ajudante de campo. Era a ele, a quem JES confiava também missões particulares, dai que fontes do palácio dizem sem errar  que foi "super fiel a JES".  Tal fidelidade é verificada no carinho que os filhos do antigo Chefe de Estado,  manifestavam  por ele  e o tratavam  por “Ti Dany”.

 

Diz-se que é por consideração ao Coronel Dany que o antigo Presidente JES deu a um dos seus filhos o nome de Danilo.

 

“Um homem muito bem educado, simples e respeitador”, assim o descreve Moisés Arnaldo Chissano, antigo funcionário do futungo de Belas, numa nota divulgada na sua pagina do facebook.

 

Arnaldo Chissano lembra que “Depois que fui proibido (às 2:00 da manhã) de aceder ao Futungo de Belas, o ora falecido teve a coragem de ordenar aos seus colegas no portão presidencial que me deixassem entrar (cerca das 16:00 horas de um sábado de um qualquer mês do ano de 1989) para abordar o então presidente da República a fim de este me devolver a paz de espírito de que tanto necessitava para tocar a minha vida para a frente livrando-me das constantes ameaças provindas de alguns dos seus colaboradores de me mandarem prender a todo o momento.”

 

“O próprio ex-Pai-Grande não gostou daquela atitude do kota Dany, mas este defendeu-se dizendo-lhe que só me conhecia como seu intérprete e não como espião da CIA. O presidente atendeu às minhas preocupações, mandou-me em paz e nunca mais recebi ameaças daqueles colaboradores. A minha gratidão por ti, chefe Dany, é eterna”, lê-se na mensagem.

 

O consultor presidencial José Mena Abrantes também o descreve - pelas redes socias - como "Um homem sério e  bom" lembrando que "Em voos presidenciais, e apesar da ordem das hospedeiras, o Dani não aceitava sentar-se e por o cinto de segurança nas descolagens e aterragens.Ficava de pé no corredor para proteger o Presidente de qualquer problema".

 

Com a retirada de JES da vida politica ativa, o coronel Domingos de Castro “Dany” mudou-se também para a residência do Miramar, como ajudante de campo do antigo Chefe de Estado. Diz-se que ja não sabia fazer mais nada senão defender do antigo Presidente. Na viagem que JES, realizou a Espanha em Abril, último o coronel “Dany” já não foi visto, na restrita caravana.

 

Em Outubro de 2018, a Casa de Segurança da PR licenciou-o a reforma por limite de idade, conforme um documento assinado pelo secretario para o pessoal e quadros, brigadeiro Angelino Domingos Vieira que o Club-K teve acesso.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: