Luanda – Uma cidadã que responde pelo nome de Maria Queiroz denunciou, recentemente, o responsável do Serviço de Fiscalização da administração municipal de Viana, Álvaro da Costa Ito, mais conhecido por Ytuiny Ferraz, de a ter exigido ‘favorecimento sexual’ a fim de ‘ser deixada em paz’ com as obras do seu estabelecimento comercial.

Fonte: Club-k.net
A denunciante conta que, há escassos semanas, tivera sido interpelada e notificada pela equipa dos fiscais da “brigada especial”, de Ytuiny Ferraz, no momento em que acompanhava os seus pedreiros a reabilitar e alargar o seu estabelecimento comercial, localizado no município de Viana.

No dia marcado pelos fiscais na notificação, a mesma dirigiu-se a repartição dos Serviços de Fiscalização do município de Viana para se inteirar do valor da multa que teria de pagar ao Estado, uma vez que se encontrava na irregularidade.

Para o seu espanto, depois de lhe ter anunciado o valor exorbitante da multa a pagar, Queiroz solicitou a secretaria uma audiência com o Ytuiny Ferraz, no sentido de abordar sobre a questão. Já na sala, ela terá sido despachada pelo responsável da fiscalização sob o protesto de que iria a uma reunião, fornecendo-a o seu contacto telefónico.

Para o seu espanto, depois de ligar na hora determinada por Álvaro Ito para abordarem sobre o assunto, este agente público limitou-se a lhe 'panquerar', depois de várias ladainhas, convidando-a ir ao seu encontro no local onde se encontrava (próximo de uma hospedaria). Posto lá, a cena continuo até o seu algoz lhe dizer de boca cheia. “Se tu queres terminar a sua obra, deve fazer sexo comigo ou pagar o valor que está estipulado na multa”.

Estupefacta com as exigências de Ytuiny Ferraz, a mesma limitou-se a abandonar o local do encontro sem dizer uma única palavra. “Nunca fui tão insultada em toda minha vida por um homem. Nem o meu marido já me humilho dessa maneira. Ele tratou-me como se eu fosse uma prostituta”, lamentou. A mesma fora inicialmente aconselhada a fazer uma participação a polícia nacional, mas por temer que a sua situação fosse piorar, preferiu liquidar a multa exagerada.

De salientar que existem várias denúncias semelhantes, e não só, contra a maior parte dos agentes da fiscalização de Viana, sobretudo os que fazem parte da “brigada especial”, que age à margem da administração municipal, com o fito de obter lucros fáceis.

O responsável da fiscalização municipal é citado por, alegadamente, orientar os seus subordinados a embargarem ilegalmente obras e similar, aplicando abusivamente multas milionárias, a fim de incitar a pratica de subornos.

Os presumíveis infractores são abrigados a negociar um pagamento – monetário ou sexual – ao critério dos actuantes, uma vez que são obrigados a apresentar ao seu chefe, Álvaro Ito, um valor diário de 200 mil kwanzas, segundo fontes próxima do mesmo.

O Club K apurou junto de algumas vítimas que, os agentes Abel da Cruz e Bondo são apontados como sendo os “fiscais de confiança” de Álvaro Ito. Bondo lidera um grupo de quatro agentes que se fazem transportar em viaturas sem distintivos da administração ou fiscalização de Viana.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: