Luanda - A chegada da radialista Paula Simons ao conselho de administração da RNA foi aplaudida por muitos dos profissionais que fazem a RNA alguns há 30 anos ou mais.

Fonte: Club-k.net

O facto é que muitos funcionários antigos e mesmo novos da casa chegaram a depositar nela as esperanças da melhoria de condições salariais , sociais e de trabalho.

 

Era na Paula Simons em quem se depositava confiança, sobretudo pelo seu alegado "amor e paixão" pela rádio e pelo passado brilhante do seu pai. Os funcionários da Rádio elevaram a fasquia quanto à sua prestação agora nas vestes de gestora, depois de ter saído da rádio há mais de 25 anos como locutora.

 

Fiasco! Afinal tudo não passou de falsa expectativa. Bastou uma semana no cargo de administradora de conteúdos da RNA para que os profissionais da casa tomassem contacto com a "verdadeira Paula Simons".

 

Ficou conhecida como "especialista" em fomentar intrigas e promover a mesquinhez. Não tem estratégia de relação com as redações da Rádio Nacional. Na empresa quase ninguém fala com ela, devido ao seu carácter.

 

Sempre que chega a um determinado local da empresa, as pessoas apressam-se a sair ou distanciar-se dela. Nos corredores da Rádio não há quem queira cruzar com ela. Perdeu muitos amigos na rádio e até virtualmente.

 

Sobre a Paula Simons hoje apenas as pessoas citam as piores referências. É acusada de estar a destruir sonhos na Rádio, porque não sabe se relacionar e muito menos comunicar com as redações da empresa. Uma nota negativa para alguém que devia ser a principal mediadora de conflitos entre a direcção e os profissionais da redacção.

 

Só a título de exemplo , num universo vasto de profissionais da casa apenas se relaciona com um grupo restrito, com destaque para Mateus Fula e António Clara, tidos como autênticos fiéis de armazém seus. Estão feitos em autênticos "orelhas de ouro" da administradora.

 

Admira-se a (in)competência de Paula Simons para mediar uma conversa entre a direcção e a administração da Rádio, quando devia ser o principal "rosto" deste conflito, a favor dos seus colegas.

 

Ao invés de preocupar-se com as dificuldades dos profissionais da casa, Paula Simons revela mais interesse nos seus negócios, através da Isenta que de resto trata da comunicação institucional de alguns ministérios. Basta ver o espaço e os destaques que tem na RNA peças sobre o BNA e o Ministério das Finanças e o MAT onde até nomeação de chefe departamentos é destaque empresas onde a Isenta, de que é titular, presta serviços, a bel-prazer e contra os princípios e normas de comunicação, usa a rádio para benefício próprio.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: