Luanda - O Banco de Poupança e Crédito, no âmbito do seu processo de reorganização, está a proceder algumas reuniões com algumas empresas devidamente identificadas.

Fonte: Jornal Mercado

Ontem mesmo o banco divulgou uma lista de 160 empresas e estabeleceu sete dias para que contactem os seus balcões. Entre os convocados o destaque vai para 15 cooperativas e cinco empresas cuja denominação começa com a palavra banco, que, entretanto, não constam nos registos do Banco Nacional de Angola como instituições financeiras.

 

O relatório e contas do BPC referente ao exercício 2018 apresenta um crédito vencido no valor global de 835,9 mil milhões Kz, uma redução de 21% comparando a 2017, ano em que o crédito malparado do banco atingiu 1 bilião Kz.


Fonte do BPC revela que, de facto, há dentro do banco uma megacampanha de recuperação do crédito em incumprimento até um determinado limite de valor.

 

Avança que, por um lado, a lista da convocatória publicada no Jornal de Angola pode ser o primeiro passo para o uso legal das cláusulas contratuais, que consiste na execução das garantias. Por outro lado, pode se dar o caso de que são empresas que não têm nenhum registo a base de contacto, a localização da sede da empresa tem sido difícil e, se calhar, por esta via, será mais fácil serem elas a contactarem o BPC para esclarecimento ou negociação da dívida.

 

“Portanto, esta lista levanta duas possibilidades: uma porque já se negociou e não se chegou a um acordo e a outra é porque a empresa está incontactável”, sublinhou a fonte.

 

Sobre empresas incontactáveis, é de destacar que na lista da convocatória do BPC constam 23 empresas que nem apresentam o Número de Identificação Fiscal.

 

A fonte do banco insiste que a campanha massiva de recuperação de crédito em incumprimento é uma linha de prioridade do BPC. “Mesmo a anterior administração estava empenhada e a nova só veio reforçar no sentido de se fazer mesmo uma recuperação séria”, conclui.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: