Lisboa - O director geral do Instituto Marítimo e Portuário de Angola (IMPA), Manuel Nazaré Neto, e o seu adjunto para área administração e finanças, Manuel Correia Victor, estão a ser denunciados pelos funcionários por terem usado a empresa privada ESAMA - Comércio Geral, Lda, ligada a um suposto  amigo, para pagamentos de alegada “prestação de serviços desnecessários”.

*Paulo Alves
Fonte: Club-k.net

Pagamentos a serviços por trabalhos não realizados 

Em Dezembro de 2018, o ministério dos transportes (em conjunto com o ministério do interior) lançaram a chamada “Operação Mar Seguro” que visa melhorar a segurança dos utentes das praias e da orla marítima de Luanda, protecção do ambiente marinho em todo o território nacional, em particular na península do Mussulo.

 

Porém, com o objetivo de levar a cabo a referida “Operação Mar Seguro”, o Instituto Marítimo e Portuário de Angola (IMPA), dirigido por Manuel Nazaré Neto, firmou um contrato de 35 milhões de kwanzas (equivalente a 95, 7 mil dólares) com a empresa ESAMA - Comércio Geral, Lda, para alegada prestação de serviços.

 

A ESAMA - Comércio Geral, Lda é uma empresa privada criada aos 16 de Junho de 2008 que tem como objetivo social “a prestação de serviços, hotelaria, pesca de peixe, produtos do mar, serralharia, boutique, gelaria, informática, creche, e etc”. Os sócios formais da ESAMA é a cidadão nacional Ana Maria Sarmento dos Santos detendo 80% das ações , e o seu filho Ildegario Harold dos Santos Semente que na altura da fundação da empresa constava 15 anos de idade.

 

Ildegario Harold dos Santos Semente hoje com 26 anos de idade, é segundo funcionários do IMPA,  filho de Eduardo Semente Augusto, oficial superior do Serviço de Investigação Criminal e recentemente nomeado inspector-geral adjunto da Administração do Estado. Eduardo Semente Augusto e o diretor do IMPA, Manuel Nazaré Neto são referenciados, pelos mesmos funcionários,  como tendo ligações de amizade. 

Pagamentos feitos

No dia 2 de Abril do corrente ano, o diretor Instituto Marítimo e Portuário de Angola (IMPA), Nazareth Neto mandou efectuar o pagamento (ordem 255/1/2019) de AKZ 5. 235.788,41 (correspondente a 16% do valor total do contrato) para a conta da ESAMA - Comércio Geral, Lda no banco BAI alegando tratar-se de uma prestação de serviços de “concepção do modelo operacional tático-tática a operação mar”.

 

Neste mesmo dia, o IMPA, realizou um outro pagamento (ordem 253/1/2019) de AKZ 5 340.230,83 a favor da ESAMA para alegada “produção de conteúdo cientifico a operação Mar Seguro”.

 

Documentos consultados pelo Club-K, não consta que a ESAMA - Comércio Geral, Lda esta vocacionada a suposta “concepção do modelo operacional tático-tática a operação mar” e “produção de conteúdo cientifico a operação Mar Seguro”, conforme discrição nas ordens de pagamentos.

 

Fontes consultadas dizem que, no âmbito da "Operação Mar Seguro", a ESMA - Comércio Geral Lda não tem feito nada e que nunca se viu a sua presença, sendo, portanto, uma empresa fictícia usada para desviar fundos do Instituto Marítimo e Portuário de Angola (IMPA).

 

"Já denunciamos esse esquema ao ministro dos Transportes, Senhor Ricardo de Abreu, mas ainda não reagiu até e, como se não bastasse, o ministro ainda levou o Senhor Nazeth Neto como membro da sua delegação presidência que foi, na sexta-feira, dia 6, ao Qatar", explicou uma fonte junto ao IMPA.

 

Segundo a mesma fonte, esse é um trabalho que as capitanias dos portos podem fazer, mas para desviar dinheiro, se usou a empresa ESAMA - Comércio Geral Lda para prestar esse serviço que ninguém vê.

Tema relacionado 

Gestor público envolvido no descaminho de 2 milhões de dólares

Inspector do IGAE esclarece que actuou apenas como procurador no negócio entre IMPA e ESAMA

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: