Luanda - As declarações são do Presidente do Grupo Parlamentar da UNITA, Adalberto Costa Júnior, que falava recentemente com os jornalistas, em conferência de imprensa realizada na Sede Parlamentar da força política na oposição mais representada na Assembleia Nacional, em que abordou sobre as VIII Jornadas dos Deputados deste Partido, que decorrem nas Províncias da Huíla e Cunene, nos dias 8 a 14 de Setembro do ano 2019.

*Adriano Kanganjo
Fonte: Club-k.net

“E, nós, por exemplo, este ano, fizemos uma saída para cerca de 119, para verificarmos a implementação do Orçamento Geral do Estado. E, a nossa verificação disse-nos que a esmagadora maioria das Instituições visitadas tinham incumprimentos, inclusive unidades hospitalares, escolas”.


O Deputado revela que, das constatações feitas, confirmam gritante falta de meios reagentes nos hospitais, de entre outras condições.


“E, eu cito aqui as unidades hospitalares para dizer que, ali faltavam até os meios reagentes, ou há em que não podendo verificar-se que grupo sanguíneo determinada pessoa pertence, optava-se fazer a transfusão, porque no risco de morrer de facto, ia tentar-se acertar. Isto é inacreditável. Em nenhuma circunstância nós podemos aceitar estas realidades no nosso país. Não podemos de maneira nenhuma”.


Para o deputado, “A cidade dos ministérios, que desde ontem voltou a vir para a actualidade, diz-nos que afinal o executivo tem disponibilidades financeiras. É uma opção estratégica direcciona-las uns sítios e não as direccionar para outros sítios”.


O responsável denunciou, por outro lado, a existência de profundas restrições a fiscalização pelos deputados a Assembleia Nacional.


A verdade é que enquanto deputados nós sentimos profundas restrições a nossa capacidade de realizar a fiscalização do governo. E, não é justificável.


Ainda, na sua introdução, o Líder do Grupo Parlamentar da UNITA disse, “Nós estamos a encontrar aqui elementos demasiados, que limitam o bom funcionamento das instituições do estado e que nos impedem a fiscalização”.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: