Holanda - Daqui há aproximadamente dois meses, Luanda e por extensão Angola, vão poder testemunhar a aquele que tudo tem para ser o mais histórico dos congressos que a UNITA até aqui já realizou, nomeadamente o seu XIIIo Congresso, sem tirar o merecido mérito aos célebres congressos do Andulo e do Bailundo. De facto ao dar-se crédito a convocatória do Presidente cessante, Isaías N`Gola Samakuva, de 13 a 15 de Novembro do ano em curso, a UNITA terá diante de si a soberba oportunidade de finalmente e de uma vez por todas, encerrar o capítulo de partido de resistência eterna na oposição para se transformar em partido-governo em 2022.

Fonte: Club-k.net

Se desde as matas do Leste, os generais Lukamba Paulo Gato e Abreu Muengo Ukwachitembo “Kamorteiro”, conduziram e geriram com zelo, espírito de entrega e fidelidade o período da Comissão de Gestão como consequência forçada á luz do vazio deixado pelo líder histórico o Dr. Jonas Malheiro Savimbi, até ao Acordo de Paz do Luena rubricados aos 4 de Abril de 2002, já o incansável e reconciliador Isaías Samakuva não só tirou a UNITA dos escombros mas fez dela    aquela alternativa com que milhões de angolanos sempre sonharam. Por isso tiro o chapéu ao mais velho Samakuva, pois ele bem merece toda a minha e talvez a nossa vénia.


Mas verdade também seja dita, cada coisa no seu lugar e ao seu tempo devido. Samakuva fez excelentes campanhas ao longo das suas últimas eleições, percorreu embora que em vão, todo país pois os candidatos do MPLA mesmo confinados no palácio da cidade alta e no Kremlin de Luanda, nunca dependeram de campanhas nenhuma para "ganhar" pois suas vitórias sempre foram de fabrico de laboratórios chineses e espanhóis.


O Furacão chamado ACJr.

Essa abreviatura encerra o nome daquele que, diferente de João Gonçalves Lourenço que mesmo sem qualquer mérito nem protagonismo fez história no MPLA e em Angola, este sim fará história nacional e continental, por ser caso único, nomeadamente Adalberto da Costa Junior ou simplesmente “ACJr.”, que por sinal já é uma marca nacional. ACJr. não só tem todos os pregaminhos intelectuais e políticos para assumir a presidência de da UNITA mas sobretudo para transformá-la numa nova UNITA, mais descomplexada socialmente, mais actuante e mais penetrante no seio das camadas mais vulneráveis do país, entre elas a juventude, os camponeses e as incansáveis lutadoras mamãs zungueiras.


Pois é, este furacão tem de facto tudo para se tornar o 1. presidente da República de Angola, ainda que por sufrágio universal indirecto, como prevê a nossa híbrida e atípica CRA de 2010. É que com a frontalidade, persistência e também astúcia política que o caracterizam, nem mesmo a fraude, qual poderosa arma que ao “glorioso” MPLA ainda resta, nem esta poderá evitar a fúria eleitoral dos angolanos em 2020 nas Autarquias nem muito menos em 2022 nas eleições gerais. No entanto e para o efeito, a UNITA terá primeiro de despertar do sonho de um dia ser governo para sê-lo na realidade, pois ao não ser assim, ela corre o certeiro risco de vir a ser banida para sempre do panorama politico nacional, o que seria uma reedição da FNLA que não ata nem desata.


Impedir ACJr. concorrer é atenuar o futuro do país

Um erro a essa dimensão, ou seja impedir que ACJr. concorra para as presidenciais de 2022, jamais os angolanos perdoariam o mais velho Samakuva, pois o futuro e a esperança dos angolanos não poderão ser mais uma vez adiados apenas devido a ambição desmedida de um só homem. Tenho a certeza que Samakuva, ponderoso e suficientemente calculante como é, não gostaria sair pela porta da humilhação como sucedeu com José Eduardo dos Santos, que para ocultar sua humilhação, retirou-se de “kaxexe” como diria o kota Bonga, para não mais regressar ao país, onde governou durante 40 anos.


Se em 1987 em Berlim-Ocidental Ronald Reagan, então presidente dos EUA em visita de estado á então Alemanha Federal apelava diante das célebres Portas de Brandemburgo a então União Soviética para o derrube das muralhas que dividiam Berlim dizendo “Mr. Gorbachev, open this gate! Mr. Gorbachev, tear down this wall!” [“Sr. Gorbatchov abra estes portões! Sr. Gobatchov derrube este muro!”]; hoje, nós os angolanos queremos gritar: "mais velho Samakuva, deixe o caminho livre, pois Angola e os angolanos eternamente gratos te serão, pelo excelente serviço prestado a pátria, até agora! Bem haja ACJr. bem haja Angola.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: