Luanda - A África assistiu com a boca aberta, espantada, enquanto nossos líderes, na 74a sessão da Assembleia Geral da ONU, abordavam assentos vazios, mas quando era a vez de outros presidentes, os assentos estavam lotados com ouvidos ansiosos. Uma maldição ou uma bênção? Certa vez, escrevi um artigo no qual expressei que “a África é motivo de vergonha, apesar a dimensão da sua riqueza. Os líderes africanos não conseguem andar nos corredores das organizações mundiais com cabeças erigidas. A menos que eles estejam fingindo. O continente, segundo as estatísticas econômicas, está perdendo bilhões de dólares anualmente através da lavagem de dinheiro, branquemento de capitais, corrupção e má governação”.

Fonte:  Club-k.net

A maioria dos líderes africanos são obstáculos para reformas econômicas e políticas genuínas, que por si só são traduzidas como derrubando os regimes atuais. Os chamados governos do povo se apegaram persistentemente ao poder por séculos, alegando serem representantes únicos do povo. Eles enfiaram sua propaganda política em estratégias modernas de mercado comercial, elaboradas por pessoal altamente qualificado que rodeia a liderança como assessores próximos em todos os setores da administração pública. Os programas de desenvolvimento são tão estimulantes que funcionam como plataformas para incentivar seguidores dedicados que veem os presidentes como líderes incontestáveis ​​vitalícios. Aqueles com percepção diferente que se opõem a esse status quo são considerados inimigos do povo e podem ser processados ​​ou mesmo eliminados. As medias de comunicação pública foram convertidas em polimento de imagens políticas, pelo qual todos os erros são transformados em direitos.


A África é um continente rico, dotado de todos os tipos de minerais, solos férteis, clima favorável, abundância de água, monumentos turísticos incríveis, pessoas humildes e dedicadas com diferentes culturas e tradições atraentes. Essa riqueza é suficiente para transformar o continente em um paraíso global. Infelizmente, os mesmos líderes que afirmam serem os pilares do povo e devem trazer desenvolvimento sustentável são, na realidade, saqueadores do erário públicos. Eles se converteram em bilionários, arrecadando milhões de dólares e depositados em contas estrangeiras em países desenvolvidos, adquirindo propriedades de luxo de imóveis, supercarros e jatos particulares. Eles não interessem nada sobre áreas remotas africanas de onde a maioria deles nasceu; em vez disso, passam suas férias em hotéis de luxo em todo o mundo entretendo amigos ricos, bebendo vinhos caros. Os mesmos amigos que os envergonharam na Assembleia Geral das Nações Unidas, quando se queixaram de pobreza e fome no continente africano, estendendo as mãos pedindo doações.


Enquanto viajam de uma cidade para outra gastando dinheiro de forma imprudente com compras luxuosas, dando festas milionárias de aniversários e casamentos, os africanos passam fome e morrem de doenças curáveis, seus filhos sofrem de desnutrição sem estudar porque a liderança diz que falta dinheiro para os serviços públicos devido às crises econômicas. Do ponto de vista, eles nem sabem ou não se importam com o que está acontecendo no continente ou em áreas remotas longe das cidades urbanizadas, onde as redes de comunicação não são acessíveis. As estradas que foram construídas na era colonial são muito antigas e bloqueadas pelo crescimento de arbustos. As pontes também estão quebradas, assim isolando o povo em aldeias remotas e dispersos, sem nenhum vínculo com os sistemas de administração dos governos. O povo é lembrado somente durante os pleitos eleitorais quando as urnas são levantadas por helicópteros para atingir essas zonas. É quando as camisolas são distribuídas para permanecer como souvenir de apoio dos governos que seria o servidor do seu povo. Para os camponeses, as camisolas são um símbolo de conquista econômica, um traje equivalente às roupas de moda para serem usadas em ocasiões especiais, como a dança tradicional nas cerimônias das aldeias para se confortar contra o sofrimento de pobreza.


De volta às cidades, os líderes que emergiram como vencedores do pleito eleitoral, apesar de estarem no poder por várias décadas, dirigem seus supercarros pela cidade comemorando mais um mandato vitorioso do povo.


Nas áreas urbanas em que a maioria das populações se acumulou fugindo as zonas rurais, o maior desafio enfrentado pela liderança africana é o aumento do índice de jovens desempregados, cuja população se multiplicou tremendamente superando o progresso de desenvolvimento econômico, nublado pela má governança. A maioria dos líderes africanos interprete o combate ao desemprego mobilizando as massas em militantes dos partidos, cujas jovens são colocados sobre a estratégia hierárquica partidária como organizadores de eventos, sem definir adequadamente seu papel construtivo no desenvolvimento do continente berço, causando uma pobreza juvenil abjeta, que resultou na imigração em massa do século vinte um para os países desenvolvidos.

Embora os governos dos países desenvolvidos apontem dedos acusadores aos líderes africanos, eles também são culpados de terem contribuído para as agonias dos jovens desempregados, pois contribuiu saquear a riqueza africana, deslocá-la para economias alheias. Os países desenvolvidos agora estão enfrentando pragas duplas; terroristas e imigrantes ilegais, todos reunidos em um, sem a possibilidade de distinguir quem é quem. A questão terrorista, do ponto de vista deles, não tem nada a ver com a pobreza provocada por orgulho dos dirigentes. Os terroristas poderiam ser mantidos à distância, se não houvesse imigrantes ilegais em cuja pele os terroristas se escondem. Os jovens desempregados continuam avançando como fossem os guerreiros de Chaka Zulu sem medo mesmo contra a morte eminente. Os países desenvolvidos os temem como a hanseníase infectada, prontos para contaminar a todos, atravessando oceanos em canoas abertos e perigosos de altos riscos focados nas terras de abundancia.


Os países desenvolvidos por outro lado, não sabe como fazer, odiar ou simpatizar com todo esse drama, afinal eles são jovens, inocentes e inofensivos, um conjunto de seres humanos famintos fugindo da pobreza de suas terras. Eles sabem por que esses jovens africanos são pobres. Eles também entendem que não são inocentes no crime de criar pobreza que vitimou o continente africano. Eles são os culpados do crime. Eles comem, bebem e dançam tango com seus parceiros de negócios, os líderes africanos, facilitando-os a saquear a riqueza continente. Embora hoje eles abanem as cabeças e os chamem de ladrões que causaram o sofrimento de seu povo, por dentro há um elemento de culpa. Eles não mostram seus sentimentos porque também têm coração duro, assim como seus amigos. Enquanto jogavam dinheiro em seus bancos, eles aceitavam a situação de mãos abertas. Nunca passou pela sua mente gananciosa como as consequências futuras negativas terão impacto em suas sociedades. Eles pensaram que tinham uma vantagem competitiva. Atrás das costas dos líderes africanos, eles se matavam com gargalhadas a rir, enquanto suas nações multiplicam sua riqueza. Seus jovens tinham todo o emprego de que precisavam até que houvesse mais vagas abertas do que trabalhadores profissionais para preencher.

 

De volta à África, os jovens foram educados. Contorcida na pobreza, a única solução para o futuro deles era a educação. Madela os aconselhou: “A educação é a chave para a criança africana”. Então eles foram educados até se formarem. Infelizmente, havia mais jovens profissionais do que vagas de emprego. A tecnologia globalizou o mundo, milhões de vagas vazias foram exibidas na internet nos países desenvolvidos sem ninguém para preenchê-las. Os jovens africanos viram isso e começaram a sonhar com grandes empregos na terra do Tunga. Lentamente eles imigraram. Como os líderes africanos que provaram o vinho clássico europeu, eles também fizeram o mesmo. Eles descobriram pastos verdes, assim como a Europa descobriu a África e chegaram a milhões. Os jovens africanos também descobriram a Europa e uma invasão começou, até que milhões estavam em movimento. Ninguém poderia detê- los, nem mesmo a morte. Em breve eles aposta colonizar a nova terra encontrada. Os jovens brilhantes da África em movimento; Médicos, engenheiros, economistas, matemáticos, físicos, químicos, biólogos, advogados, faxineiros, motoristas; eles estão em movimento, para a terra recém-descoberta de leite e mel. Enquanto os líderes africanos estão envergonhados na Assembleia Geral das Nações Unidas por suas mãos implorantes, os heróis, os jovens estão avançar colonizando a nova terra encontrada. Madela estava certa.


A liderança africana deve acordar e converter os jovens quadros em uma força que desenvolverá este continente antes da drenagem cerebral. Eles devem reconhecer o potencial em suas mãos. Este é o momento de reorganizar a União Africana em uma potência política e econômica focada no desenvolvimento do continente berço. Os líderes devem perguntar-se quanto eles têm por aí e trazê-lo de volta ao Banco Africano, que coordenará os bancos de reserva africanos. O Mercado da Troca Africana de Metais (MTAM) deve ser constituído imediatamente, onde todos os metais devem ser vendidos e comprados. Nosso petróleo deve ser vendido no continente africano. Nossos diamantes, nosso cobre, nosso ouro, nosso peixe, nosso trigo, nosso milho. A África deve desenvolver sua própria tecnologia com base em nossa cultura e tradição. Vamos desenvolver uma força militar forte da União Africana para proteger o continente africano. Nosso urânio deve ser trocado por tecnologia militar avançada.

 

Vamos ter nossa própria moeda, que deve competir com o dólar e o euro. Vamos fazer da África a superpotência. Vamos converter nossos recursos em commodities de valor acrescentados. Deixe o mundo inteiro chegar ao mercado africano e despejar seu dinheiro aqui. Temos tudo o que é preciso para realizar esse sonho.


A 74a Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas deve ser considerada uma bênção, não uma maldição. Os líderes africanos devem sair de idade e ficar em pé. Eles deveriam parar de fingir que está tudo bem. Nós não somos cegos. Vimos como vocês abordavam de assentos vazios e como os assentos foram preenchidos quando presidentes de países desenvolvidos se dirigiram à Assembleia Geral. Nós fomos machucados. Começamos a pensar que se você pudesse parar de acumular dinheiro apenas nos bolsos, ampliar sua visão e desenvolver este continente berço, ninguém o tratará como um cidadão do planeta em segunda mão.

Keneth Nzimbo Kapata
Economista

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: