Luanda - O nosso país nasceu como uma república popular que almejava ser socialista e democrática. Apesar da guerra contra invasores estrangeiros, desde a primeira hora da Independência Nacional, as políticas adoptadas pelo Presidente Agostinho Neto foram sempre no sentido de resolver, em primeiro lugar, os problemas do Povo e combater nas frentes de batalha, pela soberania e a integridade territorial.

Fonte: FAAN

Combate pelo Respeito e o Direito à Honra A propósito do combate à corrupção em Angola surgiram recentemente notícias nos Media nacionais e internacionais referindo o nome do Dr. António Agostinho Neto, primeiro Presidente da República Popular de Angola. Consideramos esta referência abusiva, caluniosa e inamistosa. Como primeiro Chefe de Estado de Angola, o seu nome e a sua memória de pessoa falecida merecem o respeito de qualquer país.

 

O Dr. Agostinho Neto faleceu em Moscovo no dia 10 de Setembro de 1979, seis anos antes do casamento da sua primeira filha com o Dr. Carlos Manuel de São Vicente, em 1985. Não o conheceu e nem tem qualquer ligação com a sua vida pessoal e profissional. Daqui a poucos dias decorre o 41º aniversário da sua morte. É um absurdo associar o seu nome a processos judiciais em investigação. O Presidente Agostinho Neto, o MPLA e o seu Governo, de 1975 a 1979, nunca pactuaram com a corrupção em Angola. Os fraccionistas levantaram suspeitas sobre alguns membros da direcção do MPLA e do Governo. Todas essas denúncias foram investigadas e não foi encontrada qualquer prova. Não passavam de atoardas irresponsáveis e falsos pretextos para desencadearem o golpe de estado militar de 27 de Maio de 1977.

 

O Presidente Agostinho Neto faleceu e o Bureau Político do MPLA publicou, no Diário da República, uma lista dos seus bens e que faziam parte da herança da sua família: Maria Eugénia da Silva Neto, sua viúva, e os três filhos, Mário Jorge da Silva Neto, Irene Alexandra da Silva Neto e Leda da Silva Neto. A maior parte desses bens eram nossas propriedades privadas e nada tinham a ver com o Estado Angolano. Mas foi tudo misturado. Alguns desses bens, entretanto, foram ocupados e vandalizados ante a indiferença do Estado. Uma espécie de confisco não declarado.


A minha família nunca teve acesso a fundos públicos, nunca teve mais do que aquilo que está definido na Lei. Pelo contrário, durante longos períodos, até teve muito menos. Só recentemente o estatuto dos antigos Presidentes da República foi definido por lei.


Agostinho Neto e eu sujeitámos os nossos filhos a provações tremendas. Vivemos sempre em casas humildes de bairros pobres, no exílio. No regresso à Pátria Angolana, a nossa vida foi sempre frugal, sem luxos de qualquer espécie. É a nossa forma de estar na vida com dignidade.

 

O Presidente Agostinho Neto foi probo e teve uma presidência decente, honesta e transparente. Não atribuiu negócios nem concessões nem licenças ou privilégios aos seus filhos. Sejam quais forem as circunstâncias do processo judicial em curso em Angola, é absolutamente condenável que, seja quem for, directamente ou por intermédio de terceiros, evoque o nome do Presidente Agostinho Neto. Quem faleceu há 41 anos nada tem a ver com isso. Não queremos nem devemos substituir-nos à Justiça. Mas temos o dever de defender o nosso bom-nome, dignidade e honra. Na nossa família e na nossa Fundação ninguém é corrupto. Por isso vimos a público apelar aos Media nacionais e internacionais, às Autoridades de Angola e da Suíça, que se abstenham de envolver o nome do Presidente Agostinho Neto em processos judiciais em curso ou em massacres mediáticos de uma crueldade indizível. E que ninguém se antecipe aos Tribunais, lavrando sentenças em forma de notícias, sem factos, sem provas, sem rigor, sem respeito do segredo de justiça nem do sigilo bancário, e sem respeito pelos direitos de personalidade e da vida privada e íntima.

Peço respeito pela memória do Presidente Agostinho Neto e pela minha família.

FUNDAÇÃO DR. ANTÓNIO AGOSTINHO NETO, em Luanda, aos 3 de Setembro de 2020.

Maria Eugénia da Silva Neto

Mário Jorge da Silva Neto

Irene Alexandra da Silva Neto

Leda da Silva Neto

Fundação Dr. António Agostinho Neto



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: