Lisboa – A Organização da Mulher Angolana (OMA) rejeitou a decisão do Presidente do MPLA, João Manuel Gonçalves Lourenço de impor a ala feminina da organização, a realização de um congresso ordinário com o modelo de candidatura única imposta pelo líder do partido.

Fonte: Club-k.net

'Mamãs' da OMA avançam com Isabel Malunga 

O congresso da OMA, que irá eleger a sucessora de Luzia Inglês Van-Dúnem "Inga", no cargo há 22 anos, está marcado para Março de 2021. Desde há dois anos que a actual líder cessante  decidiu não concorrer mais pela sua sucessão tendo a mesma e as suas colegas determinado que a actual Secretaria Adjunta, Maria Isabel Malunga Mutunda (na foto) avançaria como próxima candidata.

 

As senhoras da OMA já se estavam em pré-campanha pela candidata Maria Isabel Malunga, até serem surpreendidas com a reunião do Bureau Político de 25 de Agosto que impôs a candidatura da jornalista da TPA, Joana Domingos dos Santos Filipe Tomás, 51 como candidata única.

 

Até então a OMA manteve-se em silêncio aparentando respeitar a imposição de João Lourenço. Contudo, a reviravolta, segundo apurou o Club-K, aconteceu no dia 7 do corrente mês quando o Secretariado Executivo Nacional da OMA se reuniu para analisar varias questões dentre as quais sobre o processo orgânico, tendo as senhoras decidido que avançariam com a candidatura da sua candidata Maria Isabel Malunga Mutunda.

 

O argumento invocado pela direção da OMA é de que os Estatutos e os documentos aprovados pelo Comité Nacional da OMA no dia 18 de Julho 2020, em especial o Regulamento eleitoral que estabelece até duas candidatas aos Órgãos individuais da base ao topo.

 

A decisão da OMA em não recuar com a sua candidata, Isabel Malunga prende-se ao facto de não se identificarem em Joana Tomás que é uma figura estranha e sem histórico de militância. Por tradição a OMA tem o costume de eleger para os seus órgãos figuras com carreira interna. Joana Tomás descrita como “muito humilde” era conhecida como a jornalista que fazia as coberturas pela TPA das atividades partidárias desta organização partidária.

 

Segundo estimativas, o congresso da OMA, está destinado a repetir o que acontece em Outubro de 2019, com o congresso da JMPLA, em que a direção do MPLA apoiou um candidato Domingos Betico que acabou sendo derrotado por Cristiano dos Santos, o escolhido pelos próprios jovens.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: