AO
SENHOR PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA

=LUANDA=

Assunto: TAAG - Reação a Nota de Esclarecimentos do Gabinete de Comunicação e Imprensa sobre as denúncias que circulam nas redes sociais a cerca do Delegado da África Austral

Senhor PR, sobre o assunto, importa ser curto e preciso:

1 - A nota peca pelo atraso;


2 - O documento publicado nas redes sociais em referência na nota, foi para realçar os excessivos poderes atribuídos á um técnico estrangeiro, acto que nunca foi atribuído á nenhum Delegado angolano em funções no exterior do país;


3 - Os negócios da TAAG que por extensão são de Angola e tal como acontece com as representações diplomáticas de Angola no exterior do país, devem ser representados por quadros angolanos como foi prática no passado recente, pelo facto de envolver avultadas somas em dinheiro e a salvaguarda de algumas confidencialidades de interesse nacional inerentes aos negócios (planos, programas e projectos estratégicos) que não devem ser do domínio dos principais concorrentes em primeira mão antes de sua implementação;


4 - Internamente, a TAAG, possui quadros/técnicos suficientes e capazes de assumir as responsabilidades de Delegados em representação dos nobres interesses da TAAG, do pais em qualquer parte do mundo,


5 - Ao invés de sair a público para defender os interesses dum técnico estrangeiro, deveria em primeira instância instaurar um processo de averiguação para apurar a veracidade das denúncias acerca dos supostos despedimentos de colaboradores por parte do Sr. Gregory Epps e as respectivas evidências de manifestações racistas atribuídas ao técnico a quem defende, pois que ao contrário disso e da forma como procedeu, demonstrou claramente uma atitude de parcialidade, favoretismo, proteccionismo e uma lamentável manifestação de ausência de espírito patriótico, tendo em conta a gravidade das denúncias resultantes do suposto comportamento a todos os títulos deplorável e reprovável praticado pelo Sr. Gregory Epps, em detrimento dos colaboradores angolanos com tempo considerável de serviço ao contrário dos insignificantes 5 anos do ainda Delegado da África austral;


6 - A presente nota, visa tão somente distorcer a verdade e desviar a atenção da opinião pública em geral e particularmente do Sr. PR. Trata-se de uma acção consertada com a figura de quem protege o ainda actual PCE infelizmente;


7 - Por favor Sr. PR, pedimos encarecidamente a sua actuação com vista a tomada de medidas para corrigir o que está mal na companhia de bandeira nacional, a TAAG de todos os angolanos;

O prometido é devido. Curto e preciso.

Luanda, 27 de Janeiro de 2021.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: