Luanda - O Presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior supera em termos de popularidade, obtendo 40% de votos, liderando assim a lista da sondagem online efectuada pela equipa de AngoBarómetro numa amostra representativa de 1.050 participantes, no período compreendido entre os dias 28 de Janeiro a 14 de Fevereiro, superando assim o segundo melhor classificado de dois pontos percentuais.

Fonte: AngoBarómetro

Em segundo lugar está classificado o líder do MPLA, João Manuel Lourenço com 38%, enquanto Abel Epalanga Chivukuvuku ocupa a terceira posição com 17% dos votos expressos. Lucas Ngonda da FNLA assim como Benedito Daniel do PRS obtiveram cada um 2% e André Mendes de Carvalho, ex-líder da CASA-CE foi último classificado com 1%.


Na opinião dos pesquisadores, três factores podem justificar os maus resultados do líder do maior partido político angolano, João M. Lourenço, nomeadamente a situação económica e social em que se encontra o País, a saturação de uma longa governação e os acontecimentos de Cafunfo, reprovados pela Igreja Católica e outros sectores da sociedade civil angolana.


De acordo com AngoBarómetro, o líder do Galo Negro teria beneficiado de um efeito de solidariedade, atendendo o discurso musculado de tendência radical de extrema direita do BP do Comité Central do MPLA nos acontecimentos de Cafunfo, qualificando-o de “estrangeiro”. Um discurso perigoso e comparável aos dos partidos extremistas de direita na Europa e noutras geografias nas Américas.


Relativamente à preferência partidária, surpreendentemente a UNITA obteve a maioria absoluta de votos expressos com 50,59%, ultrapassando assim o MPLA de treze (13) pontos percentuais. O Partido que sustenta o Governo em Angola obteve 37,65%. A CASA- CE foi confirmada como a terceira força política de Angola com 6,47%, o PRS com 3,53% e a FNLA com 1,76%.


A saturação de uma longa governação do MPLA, a situação social catastrófica caracterizada pelas desigualdades sociais, elevados custos de vida e assimetrias regionais acentuadas podem ser apontados como factores determinantes da impopularidade do Partido no poder em Angola.

Desempenho de João Lourenço


Na mesma sondagem, apurou-se que 33% dos votantes classificaram o desempenho do Presidente da República de excelente até bom, 34% consideram-no de razoável e os restantes 33% avaliam-no de péssimo ou muito péssimo.


Quanto à melhoria da vida social e económica do País até as próximas eleições, os angolanos são pessimistas quanto ao futuro. Uma esmagadora maioria de 61% respondeu de forma negativa, enquanto 27% acreditam nas acções do Governo para melhorar a vida dos angolanos até à realização das próximas eleições, e 12% sem opinião.


De salientar que participaram desta sondagem online, organizada em colaboração com o Club-K 1.050 votantes, dos quais 85% do sexo masculino e 15% de sexo feminino. Mais de 75% afirmam ter concluído o ensino superior.


A equipa de pesquisadores sublinha no entanto que a sondagem é apenas uma fotografia instantânea, pelo que tudo poderá evoluir para positivo ou negativo e que a constância das tendências apuradas poderá consolidar-se, melhorar ou deteriorar-se nas próximas avaliações.


A equipa do AngoBarómetro



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: