Luanda – No quadro da estratégia do Executivo de diversificação da economia, diminuição das importações, protecção à produção nacional e garantia da segurança alimentar, a Autoridade Nacional de Inspeção Económica e Segurança Alimentar (ANIESA) constatou, por orientações expressas do Ministério da Indústria e Comércio, a inexistência de stocks de alguns produtos que compõem a cesta básica, nomeadamente, de farinha de trigo, farinha de milho e fubá estabelecimentos comerciais e mercados.

Fonte: Club-k.net
Anielog.jpg - 36,14 kBNuma nota de imprensa enviada à redacção do Club-K, o Departamento de Inspecção e Fiscalização às Actividades Económicas da ANIESA efectuou inúmeras visitas de constatação a fim de apurar se existe ou não o excedente dos produtos acima referidos.

“Dizer que, não existe no mercado angolano excedente nem houve importações indevidas destes produtos alimentares”, pode se ler no documento.

A ANIESA apurou que “com a situação pandêmica vivenciada mundialmente, a incerteza dos mercados, os países que exportam bens alimentares e não só para Angola, muitos deles cogitaram o fecho dos seus mercados”.

“Assim sendo, por força do Decreto Presidencial n.º 82/20, de 26 de Março, no seu artigo 26.º e seguintes, deu-se excepcionalmente o licenciamento de bens alimentares, medicamentos, materiais de biossegurança e outros produtos essenciais", referiu a ANIESA.

Em gesto de remate, o documento concluiu que produtos e bens importados, pelos agentes económicos, somente começaram a entrar no mercado do consumo nos finais de Dezembro de 2020 e princípios de 2021.

Este portal sabe que, a orientação dada pelo Ministério da Indústria e Comércio deveu-se há forte indício de que os produtos em causa terão entrado em território nacional sem cumprir com os normais procedimentos de importação.

Em face desta constatação, o Ministério da Indústria e Comércio compromete-se em continuar com o trabalho que está a ser levado a cabo pela ANIESA no sentido de, nos próximos dias esclarecer a situação que ameaça os esforços do sector industrial no apoio e incentivo à produção nacional.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: