Luanda - As propostas de revisão da Constituição que Angola se prepara para debater foram esta terça-feira reveladas, em Luanda, pelo ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República.

Fonte: Lusa


A proposta de revisão da Constituição angolana acautela as questões de nacionalizações e confiscos, categorias já previstas na lei, impondo como limites para a sua aplicação, a existência de ponderosas razões, anunciou o ministro da Justiça e Direitos Humanos.

 


As propostas de revisão da Constituição que Angola se prepara para debater foram esta terça-feira reveladas, em Luanda, pelo ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, numa apresentação partilhada com os ministros da Administração do Território, Marcy Lopes, e da Justiça e Direitos Humanos, Francisco Queirós.


A dinâmica económica e, sobretudo, o conflito entre a economia e a lei levou a que fossem tomadas medidas recentemente sobre bens que foram recuperados e faltou – e está a sentir-se essa falta – enquadrar a nacionalização de certos bens que comprovadamente foram adquiridos com recurso do Estado”, justificou.


Com a alteração, a lei passa a poder enquadrar de forma punitiva a reversão ou inclusão desses bens no património do Estado, indicou o ministro.


Francisco Queirós salientou, no entanto, que a proposta impõe limites “pois só se aplica onde houver ponderosas razoes de interesse nacional que vão estar definidas na lei ordinária”, e se estas não existirem não pode ser aplicada a nacionalização.


Quanto ao confisco, só pode ser aplicado havendo ofensa grave da lei que protege os
interesses económicos do Estado, acrescentou.


A proposta de revisão constitucional introduz também a categoria de propriedade comunitária “que existe, de facto”, mas não tem, expressão legal nem constitucional.


Estamos agora a propor que o conceito seja incluído na Constituição para enquadrar os bens de produção das comunidades rurais, tendo em vista os programas de desenvolvimento que estão definidos para essas áreas da economia e têm encontrado dificuldades para conferir titularidade dos bens de produção comunitários aos membros da comunidade”, justificou o governante.


Outra categoria proposta é a da economia não estruturada, incluindo a economia informal e tradicional, tendo em vista o seu tratamento para introdução paulatina na economia estruturada, adiantou Francisco Queirós.


A revisão pontual da lei constitucional em vigor em Angola desde 2010 foi anunciada esta terça-feira pelo Presidente da República, João Lourenço, que já enviou a proposta para a Assembleia Nacional.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: