Luanda - Caros Amigos, Companheiros de trincheira política, colegas de profissão e Compatriotas. Aceitem as minhas calorosas e efusivas saudações, na certeza de um futuro melhor para todos os filhos de Angola.

Fonte: Club-k.net

Quanto a mim, sinto-me implacável em tudo que me caracteriza na forma de SER e de ESTAR na vida.

É com esse espírito que me dirijo a vós, para manifestar o meu desagrado perante manipulações e manifestações de cobardia que se reflectem num texto e áudio postos a circularem neste mês de Maio de 2021 nas redes sociais cuja autoria está a ser atribuída a mim por pessoas mal-intencionadas que usam indevidamente o meu nome e a minha fotografia e citam a Liga da Mulher Angolana - LIMA.


Quem convive comigo, sabe e conhece a minha verticalidade e o meu pulsar em prol da defesa da nossa terra-mãe Angola pela qual me bato há mais de três décadas, pelo que qualquer insinuação, seja qual for a sua origem não terá pernas para andar, pois não encontrará um terreno fértil para germinar.


Companheiros e Compatriotas!


Após tomar contacto com as publicações em texto e aúdio em que uma certa pessoa responde aos pronunciamentos da senhora Tchizé dos Santos, decidi responder para repor a veracidade dos factos, sobretudo porque são usados, indevidamente, meu nome e imagem no texto e no aúdio. Sobretudo porque a verdade deve nortear a nossa forma de SER e de ESTAR.


Assim, cumpro, então, o dever de informar que o artigo e o suposto áudio a mim atribuídos nada tem a ver comigo e não faz parte de mim intrometer-me na vida de quem quer que seja. Neste sentido, repudio categorica e energicamente o uso do meu nome e imagem para fins enconfessos por pessoas mal-intencionadas. Aproveito alertar a todos que se relacionam comigo nas redes sociais a ignorar e menosprezar as publicações em que os nomes da LIMA, meu nome e a minha imagem são usados abusivamente.


O que a Dra. Tchizé faz ou deixa de fazer é de sua responsabilidade, tendo em conta que Angola é um Estado Democrático de Direito, onde as pessoas têm direito à liberdade de expressão e de escolha. As suas declarações nas redes sociais, geralmente contra o Executivo actual, reflectem o seu estado de emocional decorrente da condição a que sua família foi reduzida e só incomodam a quem a carapuça servir.


Gostava de referir também que a LIMA, Organização feminina da UNITA a que pertenço, é uma Organização séria com responsabilidades acrescidas neste País e congrega mulheres de todas sensibilidades sociais, raça, tribo, ou grupo etno-linguístico. Pelo que, tem portas abertas a todas as mulher que queiram aderir as suas fileiras.


Para todos os meus amigos aqui neste espaço de interação e não só, reafirmo a minha autenticidade e verticalidade na luta pelos direitos dos angolanos na terra do seu nascimento.


Atenciosamente, vossa,
Manuela dos Prazeres de Kazoto
Luanda, 6 de Maio de 2021

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: