Lisboa - Há quatro anos atrás, o candidato João Lourenço dia por dia na voz do Responsável da Fazenda de que supostamente é sócio, tinha visitado a sua propriedade no âmbito da campanha do MPLA. Desta vez fá-lo como presidente da República.

Fonte: Club-k.net

Será o arranque da campanha eleitoral para as eleições de 2022 ou a visita à aldeia de Caxito considerada capital da província do Bengo foi apenas só uma promiscuidade de negócios entre o Estado Representado por Sua Excelência Presidente João Lourenço e a sua Empresa provida com capitais ango-brasileiros e fundos do saco azul do maná dos Órgãos de Casa de Segurança e Militar do Presidente da República descobertos pelo saque do Major Lussati e afins?


Lembram-se da querela, no tempo da bicefalia, entre o presidente eleito João Lourenço e o presidente Emérito do MPLA José Eduardo dos Santos, onde depois de ter sido acusado de ter deixado os cofres vazios, Zedú defendeu-se em conferência de imprensa que tinha deixado dinheiro nos cofres?


Será que o saque ou a continuação do saque foi estruturado a partir desta altura? Para quando as visitas ao Cunene e ao Cuando do Cubango províncias assoladas pela seca e pela fome?

Atentamente,
Assis I. Baltazar Capamba

Ex-Director de Gabinete do Ministro da Hotelaria e Turismo
Ex-Representante da UNITA em França
Lisboa, 11 de Junho de 2021



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: