Lisboa - Os partidos membros do IDC, família política Internacional Democrático do Centro, instaram as autoridades Angolanas a assegurar que as próximas eleições, a ter lugar em 2022, decorram num processo transparente.

Fonte: IDC

O apelo da organização que integra perto de 100 partidos membros, incluindo o partido Democrata do Presidente Joe Biden dos EUA, consta duma resolução adoptada no final dos trabalhos da reunião realizada nesta quarta-feira via zoom, da qual participou o Presidente da UNITA, Eng. Adalberto Costa Júnior, a partir de Portugal onde se encontra, na etapa final do périplo que efectua por alguns países europeus.

Assim, a INTERNACIONAL DEMOCRÁTICA DO CENTRO:


-Considerando que 2021 é o ano que antecede e de preparação das eleições a ter lugar em 2022;


-Observando que o combate contra a corrupção continua sendo selectivo e inefectivo;


-Reconhecendo que devido ao impacto da covid-19, registou-se uma mudança no desempenho da economia com implicações sociais negativas;


-Tendo em atenção as barreiras que são colocadas contra os oponentes no acesso aos meios de comunicação públicos;

O IDC:

-Exorta o governo angolano a garantir um processo eleitoral transparente para as eleições gerais de 2022;


- Lembra às autoridades Angolanas a importância e necessidade de uma luta eficaz contra a corrupção, evitando a atual tendência seletiva em que alguns dos principais autores da corrupção, são protegidas pelo governo;

- Exorta o governo de Angola a deixar de usar a pandemia como ferramenta de fins políticos e a fazer mais investimentos no sector da saúde, tomar medidas económicas para proteger as pessoas vulneráveis, condenar o uso da força pela polícia, contra civis;


- Apela veementemente para a necessidade de respeitar os direitos humanos e civis;


- Recomenda aos governos africanos que garantam que toda a população africana se beneficie das vacinas Covid-19;


- Aconselha o governo Angolano a não utilizar a pandemia covid-19 para impedir a realização de eleições;


- Recomenda a todas as instituições políticas Angolanas que zelem para que todos os preparativos para as eleições gerais de 2022 sejam conduzidos no devido respeito pelos princípios democráticos;


- Necessidade de apoio político efetivo e solidariedade dos mesmos membros da família política internacional durante o período eleitoral;


- Garantir a presença de observadores eleitorais internacionais;


- O IDC acompanha com especial atenção o ambiente político pré-eleitoral em Angola marcado pela falta de acesso aos meios de comunicação públicos bem como pelos ataques pessoais contra os dirigentes dos principais opositores políticos, vindos do governo e recomenda a construção de uma imprensa livre e forte;


- O IDC apoiará sempre o processo democrático em Angola e estará de olho nas eleições gerais de 2022.


De salientar que a UNITA é membro de pleno direito da Internacional Democrática do Centro, ocupando uma das Vice-presidências e fez-se representar na reunião pelo seu Presidente Adalberto Costa Júnior, pela Vice-presidente Arlete Chimbinda e pelo Secretário das Relações Internacionais, Rafael Massanga Savimbi.

 

A Internacional Democrática do Centro foi fundada em 1961 e integra cerca de 100 partidos de todos os continentes, com um número considerável deles a liderarem governos de importantes países.

Luanda, 21 de Julho de 2021

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: