Luanda - O Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, elogiou, ontem, em Lusaka, a transição pacífica de poder ocorrida na Zâmbia, com a investidura do novo Chefe de Estado, Hakainde Hichilema.

Fonte: JA

Bornito de Sousa testemunhou, na capital zambiana, a cerimónia de investidura do novo Presidente da Zâmbia, em representação do Chefe de Estado angolano, João Lourenço. Lembrou que não é a primeira vez que ocorre alternância política na Zâmbia, sublinhando que, em qualquer dos casos, a constante tem sido a manutenção de uma boa relação entre os dois Estados, partidos e Governos ao longo do tempo.


"Acreditamos que, neste momento, isso não será diferente. Viemos representar o Presidente da República, João Lourenço, na tomada de posse do Presidente eleito, estamos a ver que há um grande consenso e, sobretudo, uma grande emoção com esta transição pacífica”, exprimiu.O Vice-Presidente considerou que o que acontece na Zâmbia deve servir de exemplo para África.


Entre os Chefes de Estado africanos presentes no acto intervieram os Presidentes da RDC e da União Africana (UA), Félix Tshisekedi, e do Malawi e SADC, Lázaro Chakwera. Segundo Bornito de Sousa, os discursos destes estadistas reflecte o pensamento e o consenso dos africanos no sentido de desejar sucessos à governação do novo Presidente zambiano.

 

Cooperação bilateral

 

O Vice-Presidente da República observou que a Angola e Zâmbia, como países vizinhos, têm muito a aproveitar mutuamente, destacando acções já em curso, nomeadamente a nível das infra-estruturas, caminhos-de-ferro e extensão da rede de estradas. Referiu-se, igualmente, às conversações entre os dois países, para a criação de um oleoduto que deverá ligar o Lobito (Angola) à Zâmbia e de outros aspectos de interesse comum em que os países podem cooperar, "como por exemplo, na agricultura e turismo, onde a Zâmbia é muito forte e Angola pode aproveitar essa experiência”.

Investidura


O novo Presidente da Zâmbia, Hakainde Hichilema, iniciou, ontem, o mandato de cinco anos, em substituição do Chefe de Estado cessante, Edgar Lungu, derrotado nas últimas eleições.


Hichilema, 59 anos, prometeu reformas políticas, económicas, democráticas e tolerância zero à corrupção no país. No seu primeiro pronunciamento como Presidente de todos os zambianos, Hakainde Hichilema reforçou o seu discurso da campanha eleitoral, prometendo dias melhores para o país, em especial para a juventude, a quem dirigiu uma mensagem de esperança.


A cerimónia de posse do novo Presidente zambiano decorreu no Estádio dos Heróis, arredores da cidade de Lusaka, sob fortes medidas de segurança, com a presença de nove Chefes de Estado africanos e representantes de organizações internacionais.


No acto de investidura do sétimo Presidente da Zâmbia, desde a independência do país, a 24 de Outubro, Bornito de Sousa juntou-se aos Presidentes de Moçambique, Filipe Nyusi; África do Sul, Cyril Ramaphosa; Zimbabwe, Emmerson Mnangagwa; Botswana, Mokgweetsi Masisi; Namíbia, Hage Geingob, e do Quénia, Uhuru Kenyatta.


Entre os antigos Chefes de Estado, destaque para Olusengo Obassanjo, da Nigéria, que também elogiou a transição pacífica na Zâmbia.Hakainde Hichilema, 59 anos, prestou juramento à Constituição e assinou o termo de posse, diante do plenário liderado pelo presidente da Corte Suprema da Zâmbia, Micheal Mussonda. A Vice-presidente eleita, Mutale Nalumango, tomou igualmente posse.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: