Luanda - O Presidente angolano, João Lourenço, mostrou-se hoje preocupado com o aumento da criminalidade no país e defendeu um maior controlo sobre as empresas de segurança privadas e o seu armamento.

Fonte: Lusa

"Assistimos, nos últimos tempos, a um aumento dos crimes violentos praticados na via pública ou com intrusão na residência das vítimas, o que leva a concluir que existe elevado número de armas fora do controlo das autoridades e que acabam facilmente por ir parar às mãos dos meliantes", disse o chefe do executivo angolano, na sua mensagem à Nação, que marcou a abertura do ano parlamentar.

 

João Lourenço exortou a Polícia Nacional a exercer um maior controlo sobre as empresas de segurança privadas "que não devem ser portadoras de armas de guerra e cujo armamento deve ser periodicamente contabilizado e registado pelas autoridades competentes".

 

"As fontes de fornecimento das armas aos meliantes devem ser descobertas, neutralizada e seus responsáveis levados à justiça", apelou ainda.

 

O Presidente angolano mostrou-se também preocupado com o ressurgimento do garimpo nas zonas fronteiriças e no centro do país, situação que "urge estancar", tal como o contrabando de combustíveis no Norte, que contribui para exaurir as reservas internacionais líquidas já que a quase totalidade dos combustíveis é importada.

 

Considerou, por isso, que esta prática "atenta contra a economia nacional", além de ser uma questão de segurança nacional.

 

Para o combate à criminalidade contribuirá a reforma do sistema de justiça e do direito, procurando dotar o sistema judiciário dos instrumentos mais adequados ao combate à criminalidade, prosseguiu, indicando que esta reforma está no centro das prioridades do executivo.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: