Namibia  – O principais jornais namibianos destacaram esta semana que o corpo mutilado de um cidadão daquele país foi encontrado na passada segunda-feira, 18, a flutuar no rio Okavango, em Angola. O cidadão cuja identidade não foi revelada tinha 35 anos de idade e andou desaparecido depois de ter atravessado ilegalmente o rio para o território angolano, para comprar álcool.

Fonte: Club-k.net/ Namibia Sun

De acordo com o Jornal “Namíbia” que reportou o assunto, um alto oficial da Policia Namíbiana, na região leste de Kavango, Andreas Shilelo confirmou o sucedido, dizendo que um inquérito foi aberto e as investigações estão em andamento.

 

Disse igualmente que o falecido e um outro amigo namibiano de 41 anos, ambos da zona de Sauyemwa, atravessaram ilegalmente a fronteira com Angola para a aldeia de Tam Tam, onde conheceram um certo indivíduo que os vendeu whisky.

 

O responsável da Policia Namibiana disse que o amigo do malogrado, explicou que os dois foram interpelado pela polícia angolana na passada sexta-feira, 15, que posteriormente os prendeu e deteve em Angola.

 

Os dois confessaram que estavam em Angola para comprar álcool.

 

“No processo, de acordo com o sobrevivente, o falecido pediu permissão para fazer necessidades no mato. Foi assim que ele escapou e nunca mais voltou. Com o passar do tempo, o sobrevivente supostamente se ofereceu para subornar a polícia e deu-lhes o dinheiro com o qual o libertaram ”, disse Shilelo.

 

O também vice-comissário Shilelo disse que quando o sobrevivente voltou para a Namíbia no mesmo dia, contou à família do falecido o que aconteceu, e eles não relataram o caso à polícia.

 

Shilelo disse que o corpo do falecido só foi descoberto na segunda-feira passada.

 

“Depois de inspecionar o corpo, foi descoberto que havia crime, porque seus testículos foram removidos, seu mamilo cortado e havia cortes em seu pescoço e em um braço”, disse Shilelo.

 

O responsável policial disse que a autópsia determinou a causa da morte, mas que os investigadores ainda não divulgaram o relatório.

 

“Não temos jurisdição para fazer qualquer investigação ou qualquer outra prisão, porque tudo aconteceu em Angola. Contactei os nossos homólogos angolanos e contei-lhes sobre o incidente. Confirmaram ter conhecimento do incidente, mas combinámos que devíamos terminar a papelada aqui e depois fazer algumas cópias para entregar a eles, porque o caso aconteceu em Angola ”, disse.

 

“Suspeitamos que partes do corpo do falecido foram colhidas para fins tradicionai”, disse Shilelo.

 

A alta patente da corporação disse que o sobrevivente está sob custódia policial para sua própria proteção, já que a família do falecido o acusa de trair seu amigo.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: