Luanda - A oposição angolana considera que o Presidente da República foi politicamente correcto ao dizer que o país está a liderar melhor com as diferenças entre os diversos actores, mas que não foi sincero.

Fonte: VOA

Esta reacção surge às afirmações de João Lourenço na abertura da Bienal de Luanda, no sábado, 27.


Na altura, o Chefe de Estado afirmou que o país está a "aprender a lidar cada vez melhor com as diferenças" de um contexto democrático que está em constante evolução.

Lourenço disse esperar que o evento tenha um impacto "benéfico e duradouro".

“Definimos uma linha de conduta interna em que impusemos, a nós próprios, a cultura da paz e da tolerância a todos os níveis da sociedade angolana, para que fique definitivamente afastado da nossa realidade o espectro da guerra”, referiu.

 

Entretanto, a UNITA, o maior partido da oposição, considera que o Presidente foi apenas politicamente correcto.

 

"Ele diz que está a aprender a lidar com as diferenças quando não aceita críticas, o Presidente ao dizer aquilo quis ser apenas politicamente correcto, não gosta de ouvir verdades sobre a sua desgovernação, irrita-se com facilidade e rapidez com a crítica, ele não é um democrata convicto porque a democracia lhe foi imposta", afirma a vice-presidente do grupo parlamentar da UNITA, Mihaela Webba.

 

Por seu lado, o líder interino do grupo parlamentar da CASA-CE Makuta Nkondo, que esteve presente na Bienal e ouviu na primeira pessoa, diz não acreditar no que disse João Lourenço.

 

"Se ele fosse lidar bem com a diferença democrática o projecto de Abel Chivukuvuku teria sido aceite pelo TC, se o país estivesse a aprender a lidar melhor com as diferenças ele não mandaria perseguir ACJ e a UNITA, não escolheria o adversário, para mim tudo que ele disse ali é uma mentira", acusa aquele parlamentar.

 

A VOA tentou falar com representantes do MPLA, no poder, mas sem sucesso.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: