Lisboa - O antigo candidato a presidência da UNITA, Estevão José Pedro Kachiungo, foi suspendo nesta quarta-feira (1), a margem de uma reunião da comissão politica, depois de serem exibidas “graves” provas que o implicam num acção conspiratória contra o maior partido da oposição.

Fonte: Club-k.net

“Secreta” da UNITA exibe provas comprometedoras

A suspensão segundo descreve um comunicado aconteceu depois da cúpula ter analisado discutido várias informações apresentadas sobre a actuação de alguns membros da Comissão Política fora dos trâmites disciplinares do Partido, tendo a Comissão Política decidido, “por votação secreta, com 150 votos A FAVOR (85%), 20 votos CONTRA (11%) e 6 ABSTENÇÕES (4%), suspender preventivamente, nos termos do número 1 do artigo 21º. dos Estatutos do Partido, os membros Estêvão José Pedro Katchiungo, José Eduardo e Altino Kapango”.

 

Segundo apurou o Club-K, de entre varias provas, foram apresentadas contra José Pedro Kachiungo, uma comprometedora gravação (em áudio) que partilhou com uma terceira pessoa no passado mês de Outubro, logo após a divulgação do acórdão do Tribunal Constitucional (TC) que derrubou Adalberto Costa Júnior. No conteúdo do áudio são ouvidas a sua voz fazendo apologia que a UNITA não pode ser liderada por um mestiço prometendo ir até as últimas consequências para travar a ascensão de Adalberto Costa Júnior. Diz também que haveria pessoas que teriam de desaparecer.

 

Numa outra reunião de domingo (28), José Pedro Kachiungo declarou abertamente ser contra a realização do congresso agendado para esta semana, defendendo que deveria ser programado para março do próximo ano a fim de dar tempo para que outras candidaturas pudessem eventualmente concorrer. Interpelado como ficaria o partido durante estes meses paralisado, o político respondeu que Isaías Samakuva ainda tinha forças para se manter na liderança da UNITA.

 

Já o dirigente José Eduardo,  foi sancionado por actuar contra uma directiva da UNITA que proíbe   mexidas dos  quadros, sem orientação superior, até a realização do congresso. Desde que foi nomeado para render Nelito Ekuikui, no comando da UNITA em Luanda, o também deputado fez mexidas (movimentação de secretários municipais) a revelia do partido que estavam a por em risco o processo de seleção dos delegados. José Eduardo que encabeça uma lista de militantes que recorreu ao Tribunal Constitucional para impedir a realização do congresso, foi acusado de efectuar tal mexidas propositadamente para sabotar o XIII congresso da UNITA.

 

Ainda sobre o grupo que tenciona travar a realização do congresso, foram expostas conversas de uma das lideres, Ana Filomena Junqueira da Cruz Domingos,  fazendo acerto de arruaças para o  dia da realização do conclave. Filomena Domingos é esposa do antigo secretario da UNITA de Luanda, Daniel Domingos “Malucas”.

 

Familiar de Zé Pedro diz-se triste

 

A gravação calha depois de um dia um primo seu Adalberto Bravo da Costa Katchiungo ter revelado nas redes sociais que tem um avô paterno mestiço José Pereira Bravo da Costa, do Golungo Alto, que por sinal José Pedro Katchiungo é xara. “Por isso, fico muito triste, quando me dizem que o Zé-Pedro está também envolvido nesta campanha estúpida de racismo contra o ACJ.”

 
Tema relacionado

Katchiungo defende diálogo entre MPLA e UNITA

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: