Luanda - Ernesto Bartolomeu, o celebrado (não pelos seus atributos) apresentador da Televisão Popular de Angola, foi, no passado dia 8, uma vez mais, igual a si próprio. Ridículo e negativo. Desta vez, colocou-nos diante da realidade da morte. Do que ela representa e das suas nefastas consequências. Da metamorfose que, face a interesses de poder despertos por circunstâncias obscuras, ela faz apoderar os que resistem a todas as intempéries e por aqui vão permanecendo.


Fonte: Club-k.net


Banga mbote, sakidila xôto!_
(Fazes o bem e o agradecimento é bufo (peido)
Provérbio kimbundu


jacksantos-Ernesto-Bartolomeu-eleicoes-2022.jpg - 46,50 kBErnesto Bartolomeu, o magnífico, reavivou em nós a figura de uma pessoa que, durante décadas, no bem e no mal, conduziu, ao mais alto nível, os destinos da Nação Angolana. Um homem que arruinou o país, sem dúvida, mas que, no momento da sua morte, foi homenageado pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Um homem que, goste-se ou não dele, não era um qualquer homem. Razão mais que suficiente para que EB apelasse a uma réstia de respeito, dignidade e elegância para com a entidade que, naquele momento mau e perante as câmaras da televisão, sem qualquer condescendência pelo seu passado, reduziu à triste condição de um “cadáver congelado”.


Ernesto Bartolomeu ou o autor do texto que pôs em evidência a sua propalada imagem de marca, leitura com carga de força que lhe é peculiar, ignorou de forma vil o presidente que, entre inúmeros erros cometidos, se lembrou um dia de validar a transformação da sua figura insignificante de candidato a apresentador, naquilo que é hoje. Ele mesmo, Ernesto Bartolomeu, o inimitável. Na verdade, foi no longo consulado de JES que EB passou num salto de gazela as barreiras do mediatismo para viver uma vida com que nunca sonhara um dia viver. De facto, o reconhecido bajulador da figura do emérito, o locutor-maravilha EB que no passado se desfez em encómios a enaltecer feitos do comandante-em-chefe, deveria estar eternamente grato a alguém que consentiu que a sua mais que evidente mediocridade fosse elevada ao nível que ilusoriamente imagina estar no mundo da comunicação social. Mas pessoas como EB (há uma quantidade razoável na comunicação do Estado) exibem a todo o instante a falta de carácter com que nasceram, a mesma que falta aos que redigem os textos que ele lê com uma vaidade assombrosa, mostrando à saciedade que sempre foi carregado de verdade o adágio popular que nos diz: pretensão e água benta, cada um toma a que quer.


Pelas razões citadas e porque, mesmo nos casos que envolvem tipos da pior espécie há sempre qualquer coisa de bom no ser humano, eu acho que o pivot de eleição dos telespectadores angolanos deveria ter pensado duas vezes pelo menos, antes de ler a peça monstruosa com que se pavoneou perante as câmaras da sua TPA dirigindo-se ao público telespectador. Sem nenhuma verticalidade, sem qualidade, desrespeitoso quanto baste e a encher de vergonha qualquer jornalista digno e com alguma personalidade. Se o fizesse talvez escapasse à onda de críticas que lhe caíram e cairão em cima por tão baixa e irresponsável atitude.


Passados os trinta dias sobre o falecimento do antigo Presidente José Eduardo dos Santos e depois de goradas uma série de tentativas governamentais de fazer viajar o seu cadáver até à mãe-pátria para o eterno repouso que ele fez por merecer ter; depois de amplamente conhecidas as divergências que opõem a família de JES ao governo angolano; sabendo-se como sabemos que estas situações são delicadas e devem ser discreta e necessariamente respeitadas, era improvável vê-lo a desempenhar tão deplorável papel, naquelas condições em que assinalou o trigésimo dia do seu passamento. Tão improvável como seria ver a direcção da TPA a prestar-se a esse papel miserável, face aos acontecimentos já vividos e espalhados pela Nação inteira e a misturarem-se com outros que se produzem nesta fase de campanha eleitoral efervescente.


Neste momento, convenço-me que todo o angolano consciente reserva todos os dias um minuto do seu tempo para pensar no que fomos errando ao longo dos anos em que nos consideramos independentes. E um dos maiores erros entre os muitos que nos dominam é preservarmos o tipo de comunicação social que vigora no país. Como muitas coisas a necessitar de mudança, penso ter chegado a hora da comunicação social angolana tutelada pelo Estado pensar no papel que é obrigado a desempenhar na nossa sociedade próxima futura. Equidistante dos interesses políticos e mais próximo da verdade dos factos.


Não acredito nas coisas do Além, mas ainda assim e influenciado pelo surrealismo do que nos cerca o quotidiano, não me coíbo de exprimir a esperança de assistir num dia fictício, num dia fantástico, a uma ressurreição dos justos, depois de ver alimentada a convicção de que muitos dos que dormem no pó da terra acordarão da vida eterna para julgar os outros que por aqui andam com menos dignidade. Veríamos então castigados os que hoje vão desenvolvendo diariamente estas cenas rasteiras, sem conseguirem sequer, respeitar os mortos que um dia em vida, lhes deram o melhor das suas sujas vidas.


Deixo os meus sonhos a pairar na brisa deste frio cacimbo, aguardando os próximos capítulos da festa das eleições que se prepara com emoção. Ficando-me por aqui, cumprimento os meus leitores, os companheiros de luta e os amigos, despedindo-me de todos com a promessa de estarmos juntos, no próximo domingo à hora do matabicho.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: